(Créditos da imagem: Pixabay).

O gelo do Ártico está sofrendo com o aquecimento global, assim como todos os outros pontos de gelo pelo globo. Se derreterem porções de gelo sobre a Terra, em territórios como parte do Canadá, da Rússia e da Groenlândia, todos no ártico, além de adicionar grande quantidade de gelo na água, contribuindo para o aumento no nível dos oceanos, iria expor um solo rico em carbono, o que amplificaria ainda mais o efeito estufa. Portanto, algo é necessário fazer.

Embora esteja derretendo, uma característica importante do gelo é a sua capacidade de refletir a luz do Sol de volta para o espaço. Essa é, inclusive, uma das funções das porções de gelo para o planeta. No entanto, o aumento na temperatura atmosférica pelos gases de efeito estufa estão causando o derretimento do gelo. 

Quando mais gelo derrete, mais água temos. A água não reflete a luz tão bem. Pelo contrário, ela é muito boa em absorver, e aquece rapidamente. Quando mais essa água aquece, mais contribui para o derretimento do gelo. E, portanto, assim inicia-se um ciclo sem fim. Em outras palavras, se o ciclo continuar, em breve quase todo o gelo da Terra terá derretido.

LEIA TAMBÉM: Incêndios florestais: a Sibéria também está em chamas — e isso é péssimo

Espalhar vidro no gelo do Ártico?

Mas há ideias para combater o degelo. Um projeto proposto pela ONG Arctic Ice Project é um tanto bizarro – tão estranho quanto polêmico. A ideia do projeto é de espalhar vidro pelo gelo. A ideia é que o vidro aumente o índice de reflexão (albedo) e ajude que mais luz solar vá para o espaço. Eles não querem espalhar cacos de vidro, mas sim um fino pó de vidro, como mostra a imagem abaixo: 

(Créditos da imagem: Susan Kramer / Arctic Ice Project).

“Estamos tentando quebrar [esse] ciclo de feedback e começar a reconstruir”, explica o engenheiro Leslie Field à BBC. Field é professor adjunto da Universidade de Stanford. “Este é o plano reserva que eu esperava nunca precisarmos”, diz.

Segundo Field, a ideia é segura. A sílica, principal componente utilizado no vidro, é também o principal componente da areia. Esse vidro em pó seria como uma areia mais trabalhada. Além disso, os grãos de 65 micrômetros não são pequenas o suficiente para serem inaladas e causar problemas pulmonares nos animais. 

Eles já testaram a ideia em um lago congelado no estado de Minnesota, nos Estados Unidos. O pó de vidro foi o suficiente para tornar o gelo 20% mais reflexivo, retardando o derretimento de forma considerável. Quando o lago derreteu completamente, a pequena parte com o vidro ainda possuía uma camada de 30 centímetros de gelo. 

No entanto, a ideia é polêmica, e muitos cientistas não acham válido utilizar da geoengenharia. Eles defendem que já bagunçamos de mais o planeta, e poderíamos causar efeitos ainda maiores. Field concorda que a melhor saída é reduzir as emissões de carbono. No entanto, ele ainda defende a geoengenharia como uma saída complementar.

Com informações de BBC Future.