(Créditos da imagem: Parque Nacional de Galápagos).

Acreditava-se que a tartaruga-gigante-de-Fernandina, de nome científico Chelonoidis phantasticus, estava extinta há muito tempo, mas após de décadas de incerteza, pesquisadores identificaram um indivíduo vagando pela ilha de Galápagos pela primeira vez em mais de 110 anos.

A fêmea adulta foi descoberta em 17 de fevereiro durante uma expedição na ilha de Fernandina pelo Parque Nacional de Galápagos e pela Galápagos Conservancy, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente do Equador. A última vez que houve um avistamento oficial da espécie foi em 1906. Embora houvesse um possível avistamento em 2009, os pesquisadores hesitavam em tomar conclusões precipitadas. Agora a equipe também encontrou evidências, como fezes e mordidas em cactos, sugerindo que há outros membros vivos da espécie na ilha também.

“A conservação das tartarugas-gigantes-de-Galápagos tem sido meu mundo há 29 anos e tenho participado de muitos eventos emocionantes, incluindo a descoberta de uma nova espécie de tartaruga. Mas desta vez, a emoção que sinto é indescritível”, disse Wacho Tapia, diretor da Iniciativa de Restauração da Tartaruga Gigante na Conservação de Galápagos, em um comunicado. “Encontrar uma tartaruga-gigante-de-Fernandina viva na Ilha Fernandina seja, talvez, o achado mais importante do século. O único espécime vivo desta espécie foi encontrado há 112 anos”, acrescentou.

Publicidade

“Agora só precisamos confirmar a origem genética dessa fêmea. Ela é velha, mas ela está viva!”, conclui.

O indivíduo recentemente redescoberto. (Créditos da imagem: Parque Nacional de Galápagos).

As ilhas Galápagos são famosas por suas tartarugas gigantes. De fato, a palavra “Galápagos” deriva de uma antiga palavra espanhola para tartarugas. Existem, pelo menos, 15 espécies de tartaruga gigantes que habitam o arquipélago vulcânico (embora haja debates se certas populações são espécies ou subespécies separadas).

Publicidade

Como regra geral, as espécies que vivem nos planaltos úmidos possuem cascos e pescoços curtos, já que têm muita vegetação baixa para elas comerem, enquanto que as tartarugas que vivem nas planícies secas têm cascos em formato de sela e um longo pescoço, para que possam alcançar e comer plantas mais altas.

As Ilhas Galápagos também são bem conhecidas por fornecer a Charles Darwin a inspiração e o conhecimento para escrever seus trabalhos sobre a  evolução por meio da seleção natural. Localizada a mil quilômetros a oeste do Equador, no Oceano Pacífico, as ilhas abrigam alguns dos mais variados e únicos animais selvagens do mundo, incluindo o atobá-de-pés-azuis, o lagarto-de-lava e o colossal peixe-lua.

Fonte:IFLScience
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.