(Créditos da imagem: Reprodução).

A alta velocidade de disseminação do novo coronavírus representa um desafio para pesquisadores. Então, o supercomputador mais rápido do mundo, Summit da IBM, foi usado para analisar qual medicamento pode impedir o SARS-CoV-2 de infectar células hospedeiras, com maior eficiência.

De Liliane Jochelavicius para o HypeScience.

Uma dupla de cientistas fez simulações com mais de 8 mil substâncias. A pesquisa foi apresentada em artigo publicado no servidor de pré-impressões ChemRxiv.

Os resultados representam um primeiro passo, o que não significa que foi encontrada uma cura ou tratamento para o novo coronavírus. No entanto, o diretor do Laboratório Nacional Oak Ridge, Jeremy Smith, declarou que a equipe está esperançosa de que as descobertas do computador possam contribuir para estudos futuros, além de fornecer uma estrutura para investigar melhor as substâncias indicadas pelo computador.

A tarefa dada ao supercomputador foi de encontrar substâncias que poderiam se ligar à proteína Spike do vírus, usada para infectar as células hospedeiras. Ao tornar a proteína ineficiente, o vírus não conseguiria se espalhar.

Os pesquisadores fizeram a simulação de como as partículas da proteína reagiriam a diferentes substâncias. Depois reduziram a lista de 77 resultados para sete alternativas mais promissoras. Estas foram consideradas possibilidades razoáveis para investigações quanto à capacidade de limitar as interações entre o vírus SARS-CoV-2 e o hospedeiro.

Como próximo passo, os pesquisadores planejam realizar nova simulação com um modelo de proteína spike muito preciso do novo vírus identificado por outros pesquisadores. [FuturismOak Ridge National Laboratory e ChemRxiv].