O Japão planeja o lançar em 2023 do primeiro satélite do mundo feito de madeira. (Créditos da imagem: Sumitomo Forestry).

A startup japonesa Sumitomo Forestry está se unindo à Universidade de Kyoto para desenvolver os primeiros satélites feitos de madeira.

De Jon Christian para o Futurism.

O objetivo é minimizar a quantidade de lixo espacial que vem se acumulando na órbita terrestre nas últimas décadas, como relata a BBC. De acordo com os pesquisadores, os satélites feitos de madeira vão queimar ao reentrar na atmosfera terrestre.

“Estamos muito preocupados com o fato de que todos os satélites que reentram na atmosfera terrestre queimam e criam pequenas partículas de alumina que flutuarão na atmosfera superior por muitos anos”, disse à BBC o professor Takao Doi, da Universidade de Kyoto. Kyoto visitou a Estação Espacial Internacional em 2008. “Eventualmente, afetará o ambiente da Terra.”

Obstáculos a serem contornados

Os pesquisadores agora estão estudando como vários tipos de madeira podem suportar as condições extremas do espaço sideral. Os materiais precisam suportar oscilações extremas de temperatura e a radiação do espaço.

Uma prova de conceito está em andamento, bem como um modelo projetado para futuros voos de teste, de acordo com a BBC. A Sumitomo Forestry, no entanto, continua firme sobre qualquer detalhe.

Lixo espacial

De acordo com o Fórum Econômico Mundial, cerca de 6 mil satélites estão orbitando a Terra neste momento — mas apenas cerca de 60% estão em uso.

Um número crescente de empresas planeja lançar suas próprias “constelações de satélites” para levar banda larga a todas as partes do mundo, o que aumentará consideravelmente a desordem na órbita da Terra e ameaça o campo de estudo da Astronomia.

Só a SpaceX já enviou cerca de mil satélites Starlink para a órbita. No entanto, optou por queimá-los na reentrada depois que eles deixarem de ser úteis.

Com informações da BBC.