(Créditos da imagem: SpaceX).

A missão privada enviará dois clientes pagantes, não os astronautas da NASA. Os passageiros estão “sérios” sobre a viagem e já pagaram um “depósito significativo”, de acordo com Musk. A viagem ao redor da Lua levaria aproximadamente uma semana.

O plano é fazer a viagem no segundo trimestre de 2018, na nave espacial Tripulação do Dragão, com o foguete Falcon Heavy.

Musk é bem conhecido pelos seus prazos irrealistas — em 2011, ele prometeu colocar as pessoas no espaço em apenas três anos.

Nave espacial Tripulação do Dragão. (Créditos da imagem: NASA/Dmitri Gerondidakis).

As duas pessoas que vão na viagem, que não foram nomeadas, já se conhecem. Eles vão começar o treinamento inicial para a viagem ainda este ano. Musk se recusou a comentar o custo exato da viagem, mas disse que era comparável, ou um pouco mais do que o custo de uma missão tripulada para a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês). Uma viagem tripulada para a ISS no foguete russo Soyuz custa para a NASA cerca de US$80 milhões.

Musk acredita que estas missões privadas podem ser um importante fator de receita para a empresa e espera ter pelo menos uma ou duas missões por ano, possivelmente representando de 10 a 20% da receita da SpaceX.

Publicidade

Uma autorização das Nações Unidas não será necessária, de acordo com Musk, embora a viagem terá de ser licenciada pela Administração Federal de Aviação (FFA, na sigla em inglês).

A NASA planeja uma missão similar. A agência considerou colocar astronautas no primeiro voo do próximo grande foguete, o Sistema de Lançamento Espacial (SLS, na sigla em inglês) — projeto de um veículo de lançamento descartável de grande porte.

A agência planeja utilizar o SLS pela primeira vez na primavera de 2018. Este voo levaria uma tripulação ao redor da Lua, fazendo “eco” aos planos da missão “SpaceX Moon“, da SpaceX.

Musk deixou claro que a NASA terá prioridade em qualquer missão de órbita lunar. “Se a NASA decidir ter uma missão deste tipo, então, naturalmente, a NASA terá prioridade”, diz ele.

A Tripulação do Dragão, que ainda não voou, é um veículo automatizado: o sistema operará autonomamente durante a maior parte do voo. Se houver uma emergência, os passageiros precisarão controlar, mas a taxa de sucesso é bastante alta, segundo Musk. Haverá mudanças no sistema de comunicação da nave, principalmente para permitir a comunicação espacial profunda.

Publicidade

A empresa pretende voar com a Tripulação do Dragão não acoplada ao foguete Falcon 9 para ISS até o final de 2017. Haverá uma outra missão, seis meses mais tarde, com uma tripulação da NASA. Seis meses depois, se tudo correr como planejado, é quando as duas pessoas voarão ao redor da Lua. Esses clientes pagantes estão com os olhos abertos, sabendo que existe algum risco, afirma Musk. “Estamos fazendo tudo o que pudermos para minimizar esse risco, mas não é zero”.

A data-alvo da SpaceX para a primeira missão tripulada oficial é em 2018. Mas um relatório recente do Gabinete de Prestação de Contas do Governo sugeriu que os veículos da empresa não podem ser certificados até 2019. Musk tweetou que, apesar do relatório, a SpaceX estará pronto.

Adaptado de Angela Chen e Loren Grush para a The Verge.
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 17 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.