Crânios de duas crianças de oito anos de idade; não modificado, à esquerda, e modificado, à direita. (Créditos da imagem: Zhang et al./American Journal of Physical Anthropology, 2019).

Em todo o mundo podem ser encontrados fósseis que demonstram que várias culturas humanas modificavam o formato do crânio há milhares de anos. Embora os Homo sapiens também o fizessem, os primeiros sinais das práticas foram encontrados em Neandertais.

Em um novo estudo, cientistas utilizaram fósseis do sítio arqueológico Houtaomuga, província de Jilin, na China. Os fósseis, com entre 12.000 e 5.000 anos de idade, representam 7 diferentes fases culturais. Pouco mais da metade dos fósseis estudados possuíam o crânio deformado.

Ela é feita durante o início da infância, enquanto o crânio da criança ainda está em formação e é maleável. Após isso, a forma torna-se permanente. Até onde se sabe, não traz prejuízos às funções cognitivas.

Publicidade

Não se tem certeza quanto ao motivo, mas gira em torno de padrões de beleza e status social, já que juntos aos crânios foram encontrados ornamentos funerários, indicando altas classes sociais. As novas descobertas podem abrir janelas para entendermos o comportamento cultural.

Outros crânios deformados foram encontrados no Oriente Médio e na Mongólia. Acreditava-se, à primeira vista, que fossem práticas do ocidente da Eurásia (região onde hoje fica a Ucrânia e partes da Rússia, por exemplo) que mais tarde foram difundidas na Ásia, mas  agora não se pode afirmar com certeza.

Publicidade

Referência:

  1. ZHANG, Quanchao et al. “Intentional cranial modification from the Houtaomuga Site inJilin, China: Earliest evidence and longest in situ practice duringthe Neolithic Age”; Wiley, 2019. Acesso em: 09 jul. 2019.
Compartilhe:
Avatar
Mais um insignificante humano habitando um pálido ponto azul no vasto oceano cósmico circundante. Com minha ilusória auto-importância, característica humana, me aventuro pelo jornalismo científico. Apaixonado pela ciência desde criança, sou uma das poucas pessoas que como diz Carl Sagan, “passam pelo sistema com sua admiração e entusiasmo intactos”. Atualmente faço o ensino médio em uma ETEC e escrevo para o Ciencianautas.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.