Concepção artística de um planeta escuro e misterioso. (Créditos da imagem: NASA).

Uma equipe de astrônomos encontrou um planeta à deriva com aproximadamente a mesma massa de Marte ou da Terra. Encontrar algo no espaço profundo que não emite luz própria é extremamente desafiador.

Mas duas organizações estão fazendo exatamente isso. Eles são a colaboração OGLE (Optical Gravitational Lensing Experiment) e a colaboração KMTN (Korean Microlensing Telescope Network).

Os astrônomos pensam que nos primeiros dias de um sistema planetário, alguns planetas de baixa massa serão ejetados das garras gravitacionais da estrela.

LEIA TAMBÉM: Você pode ajudar a NASA a caçar exoplanetas

As coisas podem ser caóticas nos primeiros dias, e as interações gravitacionais entre a estrela e todos os planetas às vezes podem enviar pequenos planetas ao espaço para vagarem sozinhos.

Encontrar esses minúsculos corpos na vasta escuridão do espaço requer uma abordagem inovadora:

Lentes gravitacionais

A lente gravitacional requer duas coisas: uma fonte de luz distante, geralmente uma estrela, e um objeto mais próximo com massa suficiente para atuar como uma lente e desviar a luz da fonte de luz. Nesse caso, o planeta de baixa massa atua como a lente.

E dependendo de quanto a luz da estrela distante é afetada pelo objeto em primeiro plano, os astrônomos podem aprender um pouco.

Nas últimas décadas, o conhecimento dos exoplanetas explodiu. Agora conhecemos milhares deles e esperamos que quase todas as estrelas hospedem planetas.

Todo esse conhecimento levou a teorias e modelos atualizados da formação do planeta e do sistema solar. E esses modelos mostram que deve haver muitos planetas solitários que foram ejetados de seus sistemas.

LEIA TAMBÉM: Inteligência artificial encontra 50 novos exoplanetas “perdidos” em dados da NASA

A microlente oferece um método para localizar esses pequenos planetas. Mas é difícil. Não é porque que eles sejam tão escuros que é o problema.

É que os eventos de microlente para corpos tão pequenos estão em uma escala de tempo muito curta devido ao seu tamanho.

O planeta recém-descoberto, que foi denominado “OGLE-2016-BLG-1928”, foi descoberto em um evento de micro-lentes que durou apenas 41,5 minutos. Isso não é muito tempo para que dados detalhados sejam coletados.

Com informações do Universe Today.

Este texto foi originalmente publicado por Realidade Simulada. Leia o original aqui.