Um protótipo da pílula anticoncepcional masculina fez com que os hormônios reprodutivos nos homens caíssem em níveis conhecidos por deter a produção de espermatozoides. (Créditos da imagem: BSIP/Getty Images).

Ingerir uma cápsula uma vez ao dia suprimiu com segurança os hormônios reprodutivos nos homens, tornando-se um candidato atraente para uma pílula anticoncepcional masculina, de acordo com um estudo.

Após cerca de um mês de tratamento, um novo protótipo de pílula chamado de “undecanoato de dimetandrolona”, ​​ou DMAU, reduziu os níveis de hormônios, incluindo a testosterona, necessária para a produção de espermatozoides. Durante esse período, nenhum dos 83 homens que completaram o tratamento sofreu sintomas preocupantes que podem surgir com uma queda dramática na testosterona, relataram pesquisadores em uma reunião anual da Sociedade de Endocrinologia.

“Os cientistas trabalham em um contraceptivo masculino há décadas”, diz Monica Laronda, endocrinologista reprodutiva do Hospital Infantil de Ann & Robert H. Lurie, de Chicago, que não participou do estudo. Pesquisas mostram que muitos homens estão interessados ​​em formas de contracepção, além de preservativos e vasectomias, diz ela, e os homens “preferem uma pílula”. Outros métodos, incluindo géis, também estão sendo desenvolvidos.

Publicidade

A contracepção hormonal funciona tanto para os homens quanto para as mulheres — manipulando os níveis de certos hormônios, de modo que o corpo recue para fazer o seu próprio. Nos homens, a testosterona extra suprime a liberação do hormônio luteinizante e do hormônio folículo estimulante pelo cérebro, o que impede que os testículos produzam testosterona, assim como espermatozoides. Quando o tratamento termina, o corpo volta a produzir hormônios reprodutivos e a fertilidade volta ao normal.

Mas a testosterona não permanece no sangue por muito tempo, tornando menos provável uma dose única de contracepção. E o excesso do hormônio pode causar problemas no fígado. O DMAU é projetado para evitar esses problemas, dizem os pesquisadores.

Publicidade

Três doses diferentes de DMAU foram testadas. Os homens sob a dose mais alta experimentaram uma queda abrupta no hormônio luteinizante, no hormônio folículo estimulante e de testosterona apenas tomando uma pílula diária durante 28 dias. Esses baixos níveis são conhecidos por prevenir o desenvolvimento de espermatozoides.

Quanto aos efeitos colaterais, os homens em geral ganharam uma pequena quantidade de peso e viram uma queda nos seus “bons” níveis de colesterol. Níveis baixos de testosterona podem levar à perda do desejo sexual e da função, mas apenas oito homens relataram ter tido uma diminuição do desejo sexual enquanto tomavam a pílula. Os exames de sangue indicaram que a pílula não afetou o fígado.

Os pesquisadores vão lançar em breve um estudo clínico de três meses para testar a contagem de espermatozóides em homens que tomam o medicamento. Se esses resultados forem bons, a pílula será testada por casais como contraceptivos. O desenvolvimento desses produtos para homens é importante na prevenção de gravidez não planejada, diz o coautor do estudo, Arthi Thirumalai, um endocrinologista da Universidade de Washington Medical Center, em Seattle.

Referência:

  1. A. Thirumalai et al. “Pharmacokinetc and pharmacodynamics effects of 28 days of oral dimethandrolone undecanoate in healthy men: a prototype male pill”. ENDO, 2018. Acesso em: 13 fev. 2019.
Fonte:Science News
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.