Cometa 2I/Borisov. (Créditos da imagem: Telescópio Espacial Hubble).

Quase dois meses desde sua descoberta, os astrônomos continuam a desvendar os mistérios de nosso segundo visitante interestelar, o cometa 2I/Borisov. As últimas observações detectaram água neste objeto fascinante.

Em um artigo publicado no servidor de pré-impressão ArXiv, pesquisadores americanos coletaram observações de alta resolução do cometa e foram capazes de detectar emissões de oxigênio, um marcador clássico para a presença de água nas ejeções de gás do cometa. Munidos com esta informação, eles foram capazes de estabelecer que o cometa libera mais de 11 bilhões de bilhões de toneladas de água a cada segundo.

Até agora, o único elemento que foi detectado conclusivamente no cometa é o cianeto. A razão entre a quantidade de cianeto e a liberação de água está entre três e nove partes por mil. Esse intervalo varia da média de um cometa típico para um ligeiramente mais ativo. O cometa está sendo constantemente monitorado em muitos observatórios, para que esses valores sejam aprimorados ainda mais nas próximas semanas.

Publicidade

Mesmo que o Borisov seja um cometa mais ativo em comparação com a média do Sistema Solar, ele ainda está alinhado com as evidências sugerindo que, apesar de não se originar no Sistema Solar, não é tão diferente de outros corpos gelados que estudamos até agora. Isso tem consequências importantes, pois sugere que o mecanismo de formação de cometas deve ser bastante semelhante nos diferentes sistemas estelares.

O cometa Borisov foi descoberto em 30 de agosto pelo astrônomo amador Gennady Borisov no Observatório MARGO, na Crimeia. Foi nomeado em homenagem ao seu descobridor, como dita a tradição, e tem o prefixo 2I, pois é o segundo objeto interestelar descoberto no Sistema Solar depois de ‘Oumuamua, um asteroide descoberto em 2017.

Publicidade

O núcleo tem aproximadamente 1 km de diâmetro. Os pesquisadores também observaram a cauda do cometa e sua atmosfera poeirenta, também conhecida como “coma”. Ele está se movendo a incríveis 150 mil quilômetros por hora e chegando a um ângulo muito acentuado de 40 graus em relação ao plano orbital do nosso planeta.. Esses fatores foram cruciais para determinar que o cometa estava viajando de fora do Sistema Solar. [IFLS].

Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.