(Créditos da imagem: Reprodução).

De acordo com otorrinolaringologistas britânicos — especialistas em orelha, nariz e garganta —, cerca de um terço dos pacientes que testaram positivo para COVID-19 na Coreia do Sul, China e Itália também relataram perda de olfato, um sintoma chamado de anosmia ou hiposmia.

De Natasha Romanzoti para o HypeScience.

Isso significa que qualquer pessoa que tiver uma perda repentina de olfato pode ser um “portador oculto” de coronavírus, mesmo que não tiver nenhum outro sintoma.

Os cientistas indicaram que muitos pacientes ao redor do mundo que testaram positivo para o COVID-19 não tiveram outros sintomas a não ser perda de olfato e paladar, sem a presença de outros sinais geralmente associados com a doença, como febre e tosse persistente.

“Na Coreia do Sul, onde os testes têm sido mais difundidos, 30% dos pacientes que testaram positivo tiveram anosmia como o principal sintoma em casos leves”, disseram a presidente da Sociedade Britânica de Rinologia, Clare Hopkins, e o presidente da Associação de Otorrinolaringologia britânica, Nirmal Kumar, em um comunicado.

Além disso, a dupla informou que o Irã relatou um aumento repentino de casos de anosmia isolada, e muitos colegas dos EUA, França e norte da Itália tiveram “a mesma experiência”.

Kumar argumentou ao Sky News que pacientes mais jovens podem ser aqueles que mais comumente apresentam apenas perda de olfato ou de paladar, sem demonstrar outros sintomas mais reconhecidos do coronavírus.

“Pacientes jovens não apresentam sintomas significativos, como tosse e febre, mas podem ter apenas a perda do olfato e do paladar, o que sugere que esses vírus estão alojados no nariz”, afirmou.

Por outro lado, a falta de sintomas reconhecíveis de COVID-19 pode significar uma tendência a não testar nem isolar essas pessoas, ou seja, elas acabam contribuindo para a rápida disseminação do vírus em todo o mundo.

Segundo os pesquisadores, esses pacientes podem ser alguns dos portadores até então “ocultos” que têm facilitado o espalhamento veloz do COVID-19.

É por esse motivo que qualquer pessoa apresentando tais sintomas – perda de olfato ou paladar – deve ser isolada por sete dias. [ScienceAlert].