(Créditos da imagem: NASA Jet Propulsion Laboratory).

Quando a América do Norte comemorou seu feriado de Ação de Graças no ano passado, um pequeno veículo espacial que trabalhava em Marte aproveitou a oportunidade para olhar em volta. Enquanto os humanos descansavam, o Curiosity estava examinando a vasta e solitária paisagem marciana de sua posição ao lado do Monte Sharp, registrando fotos.

O resultado é um panorama deslumbrante de quase 1,8 bilhões de pixels, feito com mais de mil fotos individuais, registradas durante 6,5 horas ao decorrer de quatro dias.

Como esses panoramas precisam ser registrados durante o dia para garantir uma iluminação consistente, não é sempre que o Curiosity, ocupado com outras tarefas, tem tempo para fazer isso. Mas as férias são uma exceção.

“Enquanto muitos em nossa equipe estavam em casa saboreando peru, o Curiosity produziu esse banquete para os olhos”, disse Ashwin Vasavada, cientista do projeto Curiosity e membro do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. “Esta é a primeira vez durante a missão que dedicamos nossas operações a um panorama estéreo de 360 ​​graus”, acrescentou.

(Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech/MSSS).

A imagem mostra uma região chamada Glen Torridon — em homenagem ao local na Escócia — que o veículo explorava depois de descer do Vera Rubin Ridge, rico em hematita, em janeiro de 2019.

Glen Torridon, por outro lado, é rico em minerais argilosos em camadas de rochas sedimentares e é de grande interesse para os geólogos planetários. À medida que o Curiosity sondava o terreno, as descobertas do veículo espacial lentamente revelaram informações valiosas sobre a história das mudanças climáticas de Marte.

As amostras de broca coletadas pelo Curiosity confirmaram a abundância de argila prevista na imagem orbital. Mais emocionante, a química úmida de uma das amostras produziu moléculas orgânicasnão a primeira encontrada no Planeta Vermelho, mas mais evidências de que há química orgânica na lama marciana.

A região também nos ajudou a entender as mudanças dramáticas na Cratera Gale, a vasta bacia de impacto antiga que rodeia o Monte Sharp. As evidências sugerem que ela já foi preenchido com um lago salgado, há muito tempo drenado ou seco por mecanismos que ainda não entendemos completamente.

Alterações na textura do sedimento de Glen Torridon analisadas pelo Curiosity indicam que houve uma mudança, em algum momento, na forma como esse sedimento foi depositado no fundo da Cratera Gale. Por implicação, isso sugere uma mudança no ambiente, de um lago profundo para outra coisa.

Existem trabalhos em andamento sobre essas descobertas e muito mais. No momento, o Curiosity está fazendo uma escalada ambiciosa em direção a uma formação nas encostas mais baixas do Monte Sharp, chamada frontão de Greenheugh. Espera-se que esta seção possa revelar mais informações sobre a história geológica, geomórfica e climática dessa região de Marte.

Enquanto isso, se você quiser fazer sua própria exploração em Marte, confira esta imagem em alta resolução. [SpaceAlert].