Concepção artística do drone Ingenuity voando em Marte. (Créditos da imagem: NASA/JPL).

Helicópteros são veículos muito úteis em diversas missões, principalmente no transporte rápido e eficiente, já que pode pousar facilmente em locais pequenos. Somente a partir da década de 1940 que os helicópteros passaram a ser bons o suficiente para produzir em larga escala e utilizá-los de forma ampla, por diversas dificuldades técnicas – sim, um avião é mais simples de se voar do que um helicóptero. Fora da Terra é um pouco mais complicado, entretanto.

Está marcado para 30 de Julho o lançamento do rover Perseverance, da NASA, com destino a Marte. Se o lançamento de fato ocorrer, e a janela não for perdida, a missão, que se chama Mars 2020, chegará ao planeta vermelho em fevereiro de 2021. Junto ao rover, será lançado um pequeno helicóptero, o Ingenuity, um drone de 1,8 kg que está atualmente preso na barriga do Perseverance. 

Concpção artística do rover Perseverance junto ao drone Ingenuity. (Créditos da imagem: NASA/JPL)

Após o pouso no planeta, o drone ainda deve permanecer por mais dois meses alojado na barriga do rover, até que eles encontrem um bom local para o Ingenuity voar sob a vigilância de Perseverance, e realizar os primeiros testes, já que, apesar de testado na Terra, não se tem certeza quanto ao comportamento de voo do drone na prática, em Marte de fato. Após encontrar o local, serão cerca de seis dias de testes dos sistemas antes da primeira decolagem, até porque se o drone cair e se danificar, não há ninguém por lá para repará-lo.

“O Ingenuity precisa de Perseverance”, disse MiMi Aung, gerente de projeto do Mars Helicopter em um comunicado. “O sistema de entrega de helicópteros da Mars é um dispositivo engenhoso e apenas um dos exemplos de como a missão Mars 2020 funcionou acima e além da chamada para acomodar nosso projeto de teste. Junto com ele e o helicóptero, eles tiveram que incorporar uma estação base eletrônica e antena dedicada inteiramente às operações de helicóptero no veículo espacial”.

Foto do helicóptero Ingenuity em um laboratório. (Créditos da imagem: NASA/JPL)

No espaço e em outros planetas geralmente utilizamos propulsão feita diretamente pela queima de um propelente, ou pela saída de um gás em alta pressão por algum outro meio. Isso ocorre porque não é necessária uma atmosfera, já que o funcionamento deles é feito por ação e reação. Já um drone, por exemplo, precisa de sustentação, por isso é necessária uma atmosfera – e cada atmosfera é diferente, então não é tão simples voar com um veículo aéreo fora da Terra.

A atmosfera de Marte possui uma pressão média de cerca de 0,6 kPa (quilo-parsecs), e a Terra, de 101 kPa – isso significa que a atmosfera de Marte possui quase 170 vezes menos pressão do que a atmosfera terrestre – é bem menos de 1% da atmosfera da Terra. Portanto, o desafio de se conseguir algum forma de sustentação é grande.

“O Ingenuity é diferente de qualquer outro helicóptero já construído, porque o vôo controlado controlado em Marte é diferente de tudo que já foi tentado”, disse Aung. A principal missão no Ingenuity, no momento, é mostrar se os engenheiros estão no caminho certo para projetar um helicóptero marciano e, desta forma, possibilitar que missões tripuladas ao planeta vermelho possam se locomover facilmente por via aérea, ou para transporte de cargas. Ademais, missões robóticas também podem se beneficiar, já que podemos explorar Marte por uma via ainda não muito explorada. 

Referência:

  1. NASA, JPL. “How NASA’s Mars Helicopter Will Reach the Red Planet’s Surface”. Acesso em: 19 jul. 2020.