Concepção artística de uma minilua orbitando a Terra. (Créditos da imagem: Reprodução).

Todos nós conhecemos e amamos nossa Lua. Têm sido a companheira constante da Terra há bilhões de anos. Mas de vez em quando, um objeto menor é temporariamente capturado na órbita do nosso planeta, pairando por um curto período de tempo — alguns meses ou anos — antes de ser lançado de volta ao espaço. Chamamos esses objetos de miniluas e, embora tenhamos feito algumas detecções provisórias de tais asteroides temporariamente capturados, apenas dois foram confirmados — o 2006 RH120, que visitou em 2006 e 2007, e o 2020 CD3, na órbita da Terra de 2018 a 2020.

De Michelle Starr para o ScienceAlert.

Agora os astrônomos avistaram um novo objeto, denominado 2020 SO, em uma trajetória de aproximação que provavelmente será temporariamente capturado pela gravidade da Terra. As projeções dizem que o objeto chegará no próximo mês, em outubro de 2020, e ficará até maio de 2021, quando partirá para outros arredores do Sistema Solar.

Como você pode ver na simulação abaixo, a trajetória do objeto sugere que ele entrará e sairá por dois dos pontos de lagrange da Terra, que são pontos gravitacionalmente estáveis ​​criados pela interação gravitacional da Terra com o Sol.

Isso seria extremamente notável por si só, mas há algo diferente neste objeto. A órbita semelhante à da Terra e a baixa velocidade de 2020 SO sugerem que ele não é um asteroide — suas características, segundo os especialistas, são mais consistentes com algo feito pelo homem.

LEIA TAMBÉM: Por culpa da Terra, a Lua está enferrujando

Origem humana

O 2020 SO foi classificado como um asteroide Apollo no JPL Small-Body Database — uma classe de asteroides cujos caminhos cruzam a órbita da Terra. Esta classe de asteroide frequentemente têm encontros próximos à Terra. Mas existem algumas pistas de que 2020 SO não é como os outros já observados.

O objeto está em uma órbita com uma inclinação muito baixa em relação à órbita da Terra, ou seja, não está inclinado, mas no mesmo caminho orbital. Sua excentricidade — o desvio da forma de sua órbita em um círculo perfeito — é apenas um pouco maior que a da Terra. E sua velocidade é muito, muito menor do que a velocidade de um asteroide Apollo típico.

Os objetos que vieram da Lua também têm uma velocidade mais baixa do que esses asteroides, mas Alice Gorman, da Flinders University, na Austrália, observou que o 2020 SO é ainda mais lento do que as rochas lunares.

Tudo isso aponta para o objeto potencialmente a ser lixo espacial. Provavelmente e mais especificamente, um estágio de foguete descartado de uma missão que lançou uma carga experimental chamada Surveyor 2 to the Moon em setembro de 1966.

LEIA TAMBÉM: A Lua não está tão morta: possível atividade tectônica recente localizada

Lixo espacial

Foguetes reutilizáveis ​​são apenas uma invenção recente, porque a recuperação é incrivelmente difícil. A solução amplamente usada por décadas foi o lançamento de foguetes de vários estágios projetados para se desintegrar na atmosfera. O primeiro estágio volta para a Terra para reutilização, e, o resto do foguete, transportando a carga útil, é descartado no espaço quando seu trabalho é concluído.

O 2020 SO deve fazer duas passagem próximas a Terra. Em 1 de dezembro de 2020, ele passará a uma distância de cerca de 50 mil quilômetro e por volta de 2 de fevereiro de 2021, quando voará a 220 mil quilômetros. Nenhum dos dois está perto o suficiente para entrar na atmosfera da Terra. Mas essas distâncias, especialmente em velocidades lentas, podem ser suficientes para estudá-lo mais de perto e determinar o que de fato é o 2020 SO.

Se for um asteroide, isso significa que temos uma rocha muito estranha em nossa órbita, demonstrando que os asteroides podem se mover — de forma inesperada — como se fossem estágios de foguete. Portanto, seja qual for o 2020 SO, teremos muito a aprender com nosso novo visitante misterioso.