(Créditos da imagem: NASA).

A gigante de tecnologia japonesa SoftBank firmou uma parceria com a NASA e com a empresa aeroespacial norte-americana AeroVironment para construir um enorme drone movido a energia solar que pode transferir conectividade 5G para praticamente qualquer lugar do mundo.

Uma viagem inaugural do protótipo Hawk 30 da SoftBank pode ocorrer na próxima semana, conforme com um Acordo do Acto Espacial de Novembro com a NASA. Mais voos de teste seguirão nos próximos três meses — uma iniciativa que, se bem-sucedida, poderá levar a conectividade sem fio às regiões mais remotas do globo.

O Hawk 30 é um veículo aéreo não tripulado (UAV, na sigla em inglês) que possui dez motores elétricos e pode voar em altitudes superiores a 20 quilômetros, de acordo com o IEEE Spectrum. Além disso, os detalhes são escassos.

Publicidade

O Hawk 30 não será o primeiro UAV desse tipo a tentar levar conectividade a áreas remotas. O drone que detém o atual recorde de durabilidade é o protótipo anterior da AeroVironment, o Helios. Ele voou a uma altitude superior a 28 quilômetros em 2001, mas se fragmentou em pequenos pedaços e caiu no Oceano Pacífico após dois anos.

O Facebook também entrou na onda com o drone Aquila, movido a energia solar. O projeto Aquila foi uma experiência para ver se era possível levar a internet para áreas remotas. Um protótipo permaneceu no ar por quase duas horas sobre o deserto do Arizona em junho de 2017, durante seu segundo vôo de teste. Mas o projeto foi engavetado em junho de 2018.

Publicidade

Até o Google tentou, testando o sistema SkyBender em 2016. Balões de alta altitude fizeram mais sentido para a empresa, mas a iniciativa foi substituída pelo projeto Loon da Alphabet em 2017.

Os drones que que visam oferecer a conectividade sem fio em todo o planeta é um conceito com um histórico ruim até agora. Mas isso não impede as empresas de aprenderem com seus erros e tentarem novamente.

Fonte:Futurism
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.