Imagem de Saturno, registrada pela sonda Cassini em 26 de abril de 2017 utilizando os filtros CL1 e CL2 da sonda. A imagem ainda não foi validada e também não foi calibrada. (Créditos da imagem: ASA/JPL-Caltech/Space Science Institute).

A Cassini mergulhou com sucesso através do espaço entre Saturno e seus anéis — uma área nunca antes explorada por qualquer nave espacial. Essas imagens não processadas mostram características da atmosfera de Saturno com altos níveis de detalhes.

As imagens foram capturados pela sonda Cassini durante o seu primeiro mergulho, da missão “Grand Finale“, entre o planeta e seus anéis em 26 de abril de 2017.

A sonda passou a 3 mil quilômetros de distância de Saturno e a 300 quilômetros de distância da borda visível mais interna dos anéis.

Confira as imagens:

Imagem registrada da sonda Cassini em 26 de abril de 2017 utilizando os filtros CL1 e CL2 da sonda. A imagem ainda não foi validada e também não foi calibrada. (Créditos da imagem: ASA/JPL-Caltech/Space Science Institute).
Imagem de Saturno, registrada pela sonda Cassini em 26 de abril de 2017 utilizando os filtros CL1 e CL2 da sonda. A imagem ainda não foi validada e também não foi calibrada. (Créditos da imagem: ASA/JPL-Caltech/Space Science Institute).

Veja todas as imagens aqui.

Publicidade

O “grand finale”

A sonda realizou um voo rasante em Titã, lua de Saturno, capturando algumas imagens finais dessa lua. O sobrevoo alterou a órbita da nave espacial de tal forma que a Cassini não será capaz de evitar uma colisão com Saturno em setembro deste ano.

Imagem de Titã, lua de Saturno, registrada pela sonda Cassini em 24 de abril de 2017 utilizando os filtros CL1 e CL3 da sonda. A imagem ainda não foi validada e também não foi calibrada. (Créditos da imagem: ASA/JPL-Caltech/Space Science Institute).

O “grand finale” irá eliminar a pequena possibilidade de Cassini colidir com uma região que os cientistas pensam que pode ser potencialmente habitável, como a lua Encélado, e contaminar com micróbios da Terra. Se a nave estiver carregando micróbios (que são quase impossíveis erradicar antes do voo de uma nave espacial), estes micróbios poderão invadir um ambiente habitável e matar quaisquer formas de vida nativas, semelhante às espécies invasoras na Terra.

Para evitar essa possibilidade, a nave espacial será dirigida ao planeta Saturno (que não é considerado habitável), onde será destruída pela atmosfera do planeta.

Referência:

  1. SÉRVULO, Felipe. “A despedida de Cassini: sonda da NASA se prepara para seu mergulho final em Saturno; Mistérios do Universo. Acesso em: 27 abr. 2017.
Fonte:NASA
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 17 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

1 comentário

  1. estas imagens são uma resposta para os que vivem dizendo que a nasa só divulga imagens processadas, montadas, e esconde dados realmente obtidos… desta vez divulgaram logo de cara as imagens originais, brutas! o problema é que cada um vai ver nelas exatamente aquilo que aprendeu a ver! para a maior parte das pessoas serão apenas borrões, mas para pessoas preparadas para ver o que elas têm para mostrar, dá inclusive para saber de que são feitas as nuvens mostradas nelas! 🙂

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.