(Créditos da imagem: NASA/ESA).

Talvez você não saiba, mas a meteorologia é  aplicada em outros planetas. Eventos climáticos são estudados por todo o Sistema Solar.

No caso de Urano e Netuno, tínhamos breves fotografias capturadas pela Voyager 2. A atmosfera de Urano parecia parada, enquanto a de Netuno era dinâmica e possuía dois vórtices misteriosos. Essas eram as únicas imagens detalhadas de suas atmosferas.

Por meio do programa OPAL (Outer Planet Atmospheres Legacy, ou Legado de Atmosferas de Planetas Exteriores, traduzindo para o português), imagens capturadas pelo Telescópio Espacial Hubble ajudaram em novas descobertas. Enquanto as imagens da Voyager 2 eram breves instantâneos, com o Hubble, lançado nos anos 1990, reuniu-se uma boa quantidade de imagens de ambos os planetas, a fim de se registrar mudanças sazonais em suas respectivas atmosferas.

Publicidade
(Créditos da imagem: NASA/ESA).

Em Netuno, um novo vórtice escuro foi encontrado, totalizando seis: os dois descobertos pela Voyager 2 e mais 4 pelo Hubble. Como se pode observar (na imagem acima à direita), à direita da nuvem escura há uma nuvem clara e brilhante. Esse fenômeno ocorre pois o vórtice escuro altera o fluxo normal do ar atmosférico e gelo de metano se forma. Ainda não se sabe exatamente como essas tempestades se formam.

Em Urano (à esquerda na imagem acima), é inevitável notar a gigante mancha branca em seu polo norte. Acredita-se que é o resultado de seu eixo de rotação, que é “deitado” em relação aos dos outros planetas. A vasta nuvem branca se forma porque, no auge do verão, a luz solar incide diretamente nessa região continuamente. Detalhe: as estações no planeta duram décadas.

Publicidade

Aquela pequena mancha próximo à borda da nuvem, na região esquerda, é uma nuvem de gelo de metano, que em certos momentos é brilhante ao ponto de astrônomos amadores conseguirem capturar.

Espera-se que análises meteorológicas a longo prazo nos planetas do Sistema Solar ajude a entendê-los melhor.

Referência:

  1. Hubble Site. Hubble Reveals Dynamic Atmospheres of Uranus and Neptune; NASA. Acesso em: 22 fev. 2018.
Compartilhe:
Avatar
Mais um insignificante humano habitando um pálido ponto azul no vasto oceano cósmico circundante. Com minha ilusória auto-importância, característica humana, me aventuro pelo jornalismo científico. Apaixonado pela ciência desde criança, sou uma das poucas pessoas que como diz Carl Sagan, “passam pelo sistema com sua admiração e entusiasmo intactos”. Atualmente faço o ensino médio em uma ETEC e escrevo para o Ciencianautas.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.