Gene neandertal também pode proteger contra Covid-19, diz estudo. (Créditos da imagem: Flickr/Paul Hudson/Creative Commons).

Por Revista Galileu Os mesmos pesquisadores que, no ano passado, mostraram que genes neandertais podem aumentar o risco de complicações por Covid-19, descobriram agora uma outra variante genética desse ancestral humano que contribui para a proteção contra o novo coronavírus.

“Isso mostra que nossa herança dos neandertais é como uma faca de dois gumes em relação à nossa resposta ao Sars-CoV-2. Eles nos deram variantes pelas quais podemos nos sentir ao mesmo tempo gratos e prejudicados”, compartilha, em comunicado, o pesquisador Hugo Zeberg, do Instituto Karolinska, na Suécia, e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, na Alemanha.

Além de fatores de risco como idade e comorbidades, os genes também contribuem para tornar as pessoas mais ou menos propensas a desenvolverem formas graves de Covid-19.

LEIA TAMBÉM: Pandemias são interrompidas pela ciência. E só por ela

Zeberg e Svante Pääbo — também do Instituto Max Planck — haviam verificado em julho de 2020 que parte do cromossomo 3 aumentava consideravelmente os riscos de problemas respiratórios e até morte em decorrência da ação do Sars-Cov-2. Eles descobriram que essa variante de risco foi herdada dos neandertais.

Em estudo publicado online nesta terça-feira (16) no periódico PNAS, os cientistas apresentaram outra descoberta: a de que uma região do cromossomo 12 é importante no sentido contrário do desenvolvimento da infecção. Os genes dessa região regulam a atividade de uma enzima responsável por quebrar genomas virais, e a enzima da variante neandertal se mostrou mais eficaz neste processo.

Após o contato com o vírus, os riscos de um paciente precisar de cuidados intensivos foram reduzidos em 20% nas pessoas que possuem essa herança genética neandertal. O estudo também mostrou que a variante está presente em cerca de metade de todas as pessoas de fora da África.

LEIA TAMBÉM: Neandertais realizavam “funerais” com flores há 55 mil anos

Segundo Pääbo, é impressionante que uma variante de neandertais tenha se tornado tão comum ao redor do mundo — o que indica que ela foi favorável para o desenvolvimento evolutivo.

Publicado originalmente em Revista Galileu. Leia o original aqui.