(Créditos da imagem: ESO/M. Kornmesser).

De acordo com um estudo de 2012 publicado na Nature, existem mais planetas do que estrelas na Via Láctea. O grupo de cientistas responsável pela descoberta utilizou a técnica de microlente gravitacional para conseguir determinar o quão comum são os planetas em nossa galáxia.

O estudo não é tão recente, mas a descoberta é fantástica. Para chegar à esta conclusão, foram necessários seis anos de pesquisa incluindo a observação de milhares de estrelas. A equipe concluiu que os planetas que orbitam estrelas em nossa galáxia não são a exceção, mas, na verdade, são a regra.

O que é a microlente gravitacional?

A microlente gravitacional trata-se de uma técnica poderosa para detectar exoplanetas que não poderiam, na maioria das vezes, ser detectados de outras maneiras. No entanto, para a técnica funcionar, é necessário um alinhamento bastante raro entre a estrela de fundo e o objeto celeste que atua como lente para que se possa observar o evento. Para detectar um planeta, é necessário ainda que a sua órbita esteja igualmente alinhada com a das estrelas, o que é ainda mais raro de acontecer.

Publicidade

O estudo encontrou muitos planetas similares ao nosso, batizados de “super-Terras”, o que abre as portas para novos estudos e, quem sabe, futuras grandes descobertas.

Por Mateus Henrique e Giovane Almeida.

Referência:

  1. ATKINSON, Nancy. “Kepler’s universe: more planets in our galaxy than stars”; Universe Today. Acesso em: 02 ago. 2018.
Compartilhe:
Ciencianautas
O Ciencianautas tem como objetivo popularizar a ciência de forma que ela seja acessível para todos.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.