Preparação do foguete que lançaria o satélite Glory, em 2011. (Créditos da imagem: NASA).

Em 24 de fevereiro de 2009, um foguete que lançava o Orbiting Carbon, um satélite de observação ambiental da NASA, não conseguiu chegar em órbita por problemas na separação da carenagem do foguete; houve perda total na missão. Em 2011, um foguete que carregava o satélite Glory, que coletaria dados climáticos da Terra, enfrentou igualmente problemas de separação da carenagem, resultando também em perda total da carga. O que os dois acidentes possuem em comum? Ambos resultaram de materiais defeituosos fornecidos à NASA por uma empresa.

Investigações do Programa de Serviços de Lançamento da NASA (LSP, na sigla em inglês), iniciadas em 2012, constataram que a empresa Sapa Profiles, Inc. (SPI), forneceu materiais de extrusão abaixo do padrão exigido para as atividades astronáuticas para a antiga Orbital Sciences Corporation, fabricante do foguete Taurus, veículo presente em ambos acidentes. A SPI alterou resultados de testes e falsificou certificações, ou seja, em teoria os materiais atendiam aos requisitos.

A empresa fez isso por 19 anos, entre 1996 e 2015. A partir de 2006 foi que a frequência aumentou. Os funcionários foram rotineiramente envolvidos em alterações de resultados dos testes dos materiais.

Publicidade

A empresa reconheceu a prática e o gerente do laboratório de testes da empresa declarou-se culpado por alterar fraudulentamente os resultados dos testes. O esquema resultou em processos criminais e a empresa fez um acordo para pagar 46 milhões de dólares ao governo dos Estados Unidos e outros parceiros comerciais. Os prejuízos causados pelos dois acidentes somam cerca de 700 milhões de dólares — quase R$ 2,8 bilhões, na cotação atual do dólar.

Fonte:NASA
Compartilhe:
Avatar
Mais um insignificante humano habitando um pálido ponto azul no vasto oceano cósmico circundante. Com minha ilusória auto-importância, característica humana, me aventuro pelo jornalismo científico. Apaixonado pela ciência desde criança, sou uma das poucas pessoas que como diz Carl Sagan, “passam pelo sistema com sua admiração e entusiasmo intactos”. Atualmente faço o ensino médio em uma ETEC e escrevo para o Ciencianautas.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.