(Créditos da imagem: Pixabay).

Infelizmente, vivemos um momento de pouco progresso científico em nosso país. Com recentes cortes orçamentários, a ciência, que já não estava bem, passou a mancar mais ainda.

Os cientistas, preocupados com este fato, protestam. Temos como exemplo a Marcha Pela Ciência, na avenida Paulista, em 2017. Até mesmo a comunidade científica internacional escreveu uma carta ao governo brasileiro em virtude do descaso com a ciência do país.

Diferente do que ocorre no Brasil, os países desenvolvidos elevam o orçamento científico durantes crises econômicas, uma vez que esse investimento dará um grande retorno, principalmente à longo prazo.

Publicidade

Visando estes problemas, em um documento, Academia Brasileira de Ciências (ABC), apresenta uma série de propostas aos candidatos à presidência da república. Dentre elas, a diminuição na burocracia para a obtenção de patentes e o estímulo à competição no ambiente empreendedor.

Segundo o documento, “a Coreia do Sul e Israel aplicam mais de 4% de seus PIBs em pesquisa e desenvolvimento (P&D), a China e a União Europeia planejam alcançar, respectivamente, 2,5% e 3% do PIB em 2020, sendo que os Estados Unidos já investem 2,7%. Enquanto isso, o percentual no Brasil encontra-se estagnado próximo a 1%”.

Publicidade

O orçamento do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) para 2018 é de cerca de 40% do orçamento de 2013. Vale ressaltar que naquele ano, o setor das comunicações não pertencia à esse ministério, ou seja, não havia custos de Comunicações neste orçamento.

A carta cita também a baixa qualidade do sistema educacional brasileiro. Segundo a carta, a evasão de alunos do ensino médio é da ordem de 50%. Ademais, problemas nas universidades também são abordados.

Com essas propostas, um plano para melhorias em Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil pode ser traçado. Possuímos enormes quantidades de recursos naturais, uma grande biodiversidade, grandes extensões territoriais e cientistas extremamente competentes. É injusto para a população que o descaso com a ciência nacional continue.

A qualidade de vida da população pode ser melhorada, a pobreza e o desemprego podem ser drasticamente reduzidos. Para isso, o P&D devem ser levados mais a sério. Deve-se também, de alguma forma, estimular os jovens a estudar e, através de programas, diminuir o êxodo existente nas escolas.

“O Brasil precisa urgentemente acordar para o fato de que ciência, economia e qualidade de vida andam juntas no mundo contemporâneo. Governos que relegam Ciência, Tecnologia e Inovação a um segundo plano condenam o futuro de sua gente”.

Publicidade

Você pode ler a carta na íntegra clicando aqui.

Referência:

  1. Academia Brasileira de Ciências. “Ciência, tecnologia, economia e qualidade de vida para o Brasil“. Acesso em: 07 mai. 2018.
Compartilhe:
Avatar
Mais um insignificante humano habitando um pálido ponto azul no vasto oceano cósmico circundante. Com minha ilusória auto-importância, característica humana, me aventuro pelo jornalismo científico. Apaixonado pela ciência desde criança, sou uma das poucas pessoas que como diz Carl Sagan, “passam pelo sistema com sua admiração e entusiasmo intactos”. Atualmente faço o ensino médio em uma ETEC e escrevo para o Ciencianautas.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.