(Créditos da imagem: Reprodução).

A nova edição do relatório Planeta Vivo, publicado pelo WWF, destaca um cenário dantesco para a biodiversidade global: em menos de 50 anos, o planeta perdeu mais de ⅔ de suas populações de animais.

Por ClimaInfo.

As principais causas para esse desastre são o desmatamento crescente e a expansão agrícola, que pressiona cada vez mais os ecossistemas, com prejuízo para as espécies naturais que dependem deles para sobreviver. As áreas mais afetadas são as sub-regiões tropicais das Américas do Sul e Central, onde a redução foi de 94%.

LEIA TAMBÉM: Destruição da Amazônia causa tristeza, indignação e vergonha a brasileiros, mostra pesquisa

“A natureza está diminuindo globalmente a taxas sem precedentes em milhões de anos”, alertou o diretor-geral do WWF, Marco Lambertini.

“A forma como produzimos e consumimos alimentos e energia e o flagrante desprezo pelo meio ambiente, enraizado no nosso modelo econômico atual, levou o mundo natural aos seus limites”.

Além disso, o relatório ainda destaca que a pandemia de Covid-19 reforça outra preocupação: a maior probabilidade de sofrermos com doenças zoonóticas contagiosas.

LEIA TAMBÉM: Declínio de abelhas chega ao ponto de extinção em massa

De acordo com o relatório, até 60% das doenças infecciosas atuais são decorrentes de animais, e quase ¾ delas de animais selvagens. Dessa forma, com a perda de ecossistemas e a maior interação entre espécies selvagens e os seres humanos, a possibilidade de novas doenças surgirem cresce em todo o mundo.

Este texto foi originalmente publicado por ClimaInfo. Leia o original aqui.