(Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech).

A sonda Voyager 2 deixou o Sistema Solar. Depois de uma análise cuidadosa dos dados, os cientistas da missão confirmaram: igual a Voyager 1 anteriormente, a pequena sonda espacial está agora além da heliopausa e se aprofundando na vasta incógnita do espaço interestelar.

Em cinco artigos distintos publicados na Nature Astronomy, os cientistas confirmam que a Voyager 2 atravessou o espaço interestelar em 5 de novembro de 2018, a uma distância de 119 unidades astronômicas (17,8 bilhões de quilômetros) do Sol.

E, como o instrumento de medição de plasma da sonda Voyager 1 foi quebrado quando atravessou a heliopausa seis anos antes, é a primeira vez que os cientistas conseguem estudar um conjunto de dados completo da fronteira do Sistema Solar.

Publicidade

As duas sondas Voyager foram lançadas em 1977 para estudar o Sistema Solar externo. A Voyager 2 foi lançada primeiro, obtendo um avanço de duas semanas, mas a Voyager 1 estava em uma trajetória mais curta pelo Sistema Solar. Além disso, a Voyager 2 foi retardada pelo sobrevoo de Netuno em 1989, então a Voyager 1 avançou conforme o planejado. Após o sobrevoo de 1989, as duas sondas haviam completado seu objetivo principal, mas a missão estava longe de acabar.

“Nesse ponto a missão se tornou a Missão Interestelar da Voyager, explicou o astrônomo Ed Stone, do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

Publicidade

Ninguém sabia quanto tempo levaria para as sondas alcançarem o espaço interestelar. Com um vento supersônico de plasma ionizado, o Sol esculpe uma bolha ao redor do Sistema Solar.

Essa bolha é chamada de heliosfera, e seu limite — onde a pressão externa exercida pelo vento solar não é mais forte o suficiente para empurrar contra o vento do espaço interestelar — é chamada de heliopausa.

Localização aproximada das sondas Voyager. (Créditos da imagem: NASA/JPL).

“Essa superfície de contato é o limite, e estamos tentando entender a natureza desse limite onde esses dois ventos colidem e se misturam, e como eles se misturam”, disse Stone.

A Voyager 1 atravessou oficialmente a heliopausa em 25 de agosto de 2012, a uma distância de 121,6 unidades astronômicas (18,1 bilhões de quilômetros).

Quando a sonda fez seu cruzamento histórico, os pesquisadores só conseguiram confirmar esse fato oito meses depois, por meio de oscilações no plasma de elétrons, das quais uma densidade plasmática interestelar poderia ser detectada.

Publicidade

Na verdade, não sabíamos quando a Voyager 2 poderia seguir o exemplo de sua irmã — a heliosfera é um pouco instável e muda ligeiramente de forma o tempo todo —, mas em outubro do ano passado, começou a captar um aumento na radiação cósmica, semelhante ao experimentado pela Voyager 1 em 2012.

Desta vez, a detecção da densidade plasmática foi feita diretamente. E, curiosamente, o que os cinco instrumentos do Voyager 2 registraram mostram uma heliopausa mais suave e fina, com um campo magnético mais forte. Segundo as observações do plasma, a sonda atravessou a heliopausa em menos de um dia.

O instrumento de raios cósmicos da Voyager 2 também detectou algo que a Voyager 1 não detectou: evidências de uma camada entre a heliopausa e o espaço interestelar onde os dois ventos interagem.

A heliopausa é apenas um limite da influência do Sol. A influência gravitacional de nossa estrela é muito, muito maior, estendendo-se através da Nuvem de Oort até 15 trilhões de quilômetros.

Infelizmente, é extremamente improvável que as sondas Voyager permaneçam operacionais por essa distância, mas suas conquistas são monumentais, no entanto — apenas as sondas Voyager demostraram diretamente a heliosfera externa, a heliopausa e o além. [ScienceAlert/Mistérios do Espaço].

Publicidade
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.