(Créditos da imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil).

Para a maioria dos brasileiros, a preservação da Amazônia é motivo de grande preocupação e o combate ao desmatamento é visto como uma prioridade para o país. A conclusão é de uma pesquisa divulgada no último dia 27 pelo Observatório Febraban. Foram entrevistadas por telefone 1,2 mil pessoas de todas as regiões do país, mas com foco nos estados da Amazônia Legal.

Por ClimaInfo.

78% dos entrevistados afirmaram estarem pouco ou nada satisfeitos com os esforços de preservação do meio ambiente no Brasil. Para 90%, a preservação da Amazônia é uma preocupação, sendo que 55% se dizem “muito preocupados” e 33%, “preocupados”. A percepção dos brasileiros sobre a Amazônia reflete essa insatisfação. Para 24% das pessoas entrevistadas, a tristeza é o principal sentimento ao pensar na floresta; 17% sentem indignação; 13%, vergonha; e 11%, medo.

77% dos entrevistados afirmaram que a floresta é “muito importante” para o país, e 72%, para a sua vida e de sua família. Para 94%, a preservação da Amazônia é essencial para a identidade nacional.

No que diz respeito aos esforços de proteção ambiental, os entrevistados aprovaram em sua maior parte a atuação de lideranças indígenas (73%), do Exército (69%) e de igrejas (62%). O desempenho do poder público divide opiniões: 50% aprovam o trabalho do governo federal, 47%, o do Judiciário, e 44%, o dos governos estaduais. Mais de ⅔ dos entrevistados rejeitaram a redução de reservas indígenas na Amazônia, algo defendido pelo governo Bolsonaro.

Outro dado interessante é a perspectiva sobre a pressão internacional que vem sendo feita por investidores e empresários. Para 54% dos entrevistados, esses atores têm o direito de pressionar as autoridades, considerando que a preservação da floresta seria “uma questão que afeta o mundo inteiro”. Por outro lado, a parcela que contesta essa pressão também é significativa, com 41% defendendo a prevalência da soberania nacional.

Os resultados da pesquisa foram destacados pela Agência BrasilFolha e Valor, entre outros.

Este texto foi originalmente publicado por ClimaInfo. Leia o original aqui.