(Créditos da imagem: Reprodução).

Bem sabemos que os cupins, técnica e cientificamente denominados de térmitas, são insetos que ocasionam diversos prejuízos econômicos, sociais, culturais e até mesmo psicológicos para populações humanas do mundo inteiro. Mas, qual a razão desse comportamento danoso? A resposta é simples: O desmatamento! Os cupins naturalmente ocorrem em áreas naturais como florestas, savanas e cerrados, mas, devido às ações antrópicas como o desmatamento, seus habitats naturais são destruídos, obrigando-os a buscarem novos locais para se estabelecerem. Entretanto, áreas naturais cada vez maiores são destruídas para dar lugar às cidades, pastagens, empreendimentos, agricultura, etc. Assim, por falta de habitats naturais, os cupins são “obrigados” a buscarem abrigo nas novas áreas construídas pelo homem, isto para sua própria sobrevivência.

Desse modo,  os cupins se instalam em áreas urbanas, encontrando nas mesmas algumas condições essenciais à sua sobrevivência, como  ambientes adequados à construção de cupinzeiros (galpões, telhados, árvores em vias públicas, entre outros) e alimento, pois, uma das matérias primas mais utilizadas na construção e confecção de áreas urbanos é a madeira, um dos alimentos consumidos pelos cupins.

Assim, com seus habitats naturais destruídos, e algumas condições cruciais para sua sobrevivência, como citados acima, os cupins se estabelecem e se proliferam nas cidades, consumindo a madeira de residências e outros empreendimentos, causando todos os danos econômicos já vivenciados por boa parte da população mundial.

Nisto, vemos que a origem do problema está na degradação do meio ambiente, realizada pelo homem. Mas, é importante mencionar que esse processo de colonização das cidades não ocorre para todas as espécies de cupins. Hoje, existem pouco mais de 3.100 espécies descritas de cupins, e destes, cerca de 70 a 80 espécies apresentam comportamento de praga, ou seja, um número relativamente pequeno se comparado ao número total. As demais espécies não ocorrem em áreas urbanas e não causam danos ao ser humano.

Nisto, apesar dos danos causados pelos cupins pragas, esses insetos trazem uma série de benefícios aos ecossistemas. Ao cupins são essenciais na estruturação física e química do solo: ao construir galerias no solo (cupinzeiro), esses insetos tornam o solo poroso e macio, importante, por exemplo, em áreas de pecuária, pois, o peso corporal do gado sobre o solo causa a compactação do mesmo; assim, essa atividade dos cupins melhora a permeabilidade do solo, importante, por exemplo, na melhor distribuição da água das chuvas, beneficiando também os vegetais. Além disso, os cupinzeiros servem de abrigo a diversas espécies de animais que passam parte ou todo o seu ciclo de vida no interior dos cupinzeiros. Os cupins também ajudam a fertilizar o solo por meio da circulação de matéria orgânica que trazem ao ninho, além da deposição de fezes no solo. Esses insetos também fazem uma “mistura” de matéria orgânica no solo, transportando-o para regiões mais profundas, enquanto que trazem sais minerais das partes mais profundas para as regiões superficiais no solo.

Assim, é importante lembrar que os cupins desempenham um papel essencial para a manutenção do equilíbrio dos ecossistemas terrestres. Mesmo com as espécies pragas, esses pequenos seres não podem ser exterminados da natureza — pensamento muito comum entre a população. Em casos de intervenção em infestação de cupins, acione dedetizadores especializados no assunto, pois resolverão o problema sem causar grandes danos ao meio ambiente.