(Créditos da imagem: Haitong Yu/Getty Images).

Iniciada na última terça-feira (14), a chuva de meteoros Líridas permanecerá visível até o fim deste mês, com seu ápice previsto para acontecer na madrugada do dia 22.

Essa chuva de meteoros tem o nome de Líridas por acontecer próxima da constelação de Lira. A órbita do nosso planeta passará perto da zona de detritos deixados pelo cometa Thatcher (C/1861 G1) que serão atraídos pela força gravitacional da Terra, brilhando ao entrar na atmosfera terrestre.

As Líridas podem produzir até 20 meteoros por hora, sendo que em alguns anos este número pode chegar a 100. No entanto, o fenômeno é mais bem visto do Hemisfério Norte. No Brasil, as regiões Norte e Nordeste terão uma visão privilegiada em relação ao resto do país — nelas, serão observáveis até 16 meteoros por hora, contra apenas 7 na região Sul.

A estrela Vega e o radiante da chuva de meteoros Líridas (destacada em azul) estarão altas no céu a partir das 02h. (Créditos da imagem: Stellarium).

Para observar o evento, basta procurar pela constelação de Lira através da sua brilhante estrela Vega, ao nordeste, a partir da meia-noite. Este ano também conta com um fator especial: a Lua estará brilhando muito pouco, quase em fase nova, o que facilita a observação dos meteoros.

Não é necessário o uso de equipamentos astronômicos para observar uma chuva de meteoros, mas é importante um céu noturno escuro. Assim, para observar o espetáculo de uma chuva de meteoros, desloque-se para uma zona com pouca poluição luminosa.