(Créditos da imagem: GERALT).

Os proveitos ao usar psicodélicos podem durar muito mais do que se imaginava.

Uma equipe de pesquisadores holandeses descobriu que a psilocibina, o componente ativo dos cogumelos psicodélicos, não apenas aumenta a criatividade, a empatia e a sensação de bem-estar de uma pessoa, mas também permite que elas experimentem todos esses benefícios por até sete dias — fornecendo informações valiosas sobre como podemos explorar este valor terapêutico dos alucinógenos.

Para o estudo, que foi publicado recentemente no Journal of Psychoactive Drugs, a equipe da Universidade de Maastricht recrutou 55 participantes de um abrigo da Sociedade Psicodélica na Holanda.

Publicidade

Os pesquisadores pediram para cerca da metade dos participantes (que não haviam ingerido psilocibina antes) completar uma série de testes projetados para medir a criatividade, a empatia e a satisfação geral com a vida três vezes: uma vez na noite anterior, ingerindo um chá feito de cogumelos psicodélicos, outra vez na manhã seguinte, após beber o chá e, finalmente, sete dias depois.

“Descobrimos que a psilocibina, quando tomada em um cenário naturalista, aumenta os aspectos de criatividade e empatia na manhã seguinte e sete dias após o uso”, disse a pesquisadora Natasha Mason ao PsyPost. “Além disso, a psilocibina também aumentou o bem-estar subjetivo.”

Publicidade

Mason reconheceu ao PsyPost que o estudo teve várias limitações, incluindo a falta de um grupo de controle e o fato de que os participantes eram, todos, pessoas que optaram por participar de um abrigo psicodélico.

No entanto, ela considera que o estudo da equipe produziu informações valiosas sobre os potenciais benefícios terapêuticos dos psicodélicos.

“Essas descobertas são importantes na tentativa de entender a utilidade terapêutica dos psicodélicos no tratamento de certas patologias”, disse Mason ao PsyPost. “Especificamente, em uma sessão de terapia, os aprimoramentos na empatia poderiam aumentar os sentimentos de abertura e confiança entre o paciente e o terapeuta, fortalecendo assim uma aliança terapêutica.”

“Ademais, os aprimoramentos no pensamento criativo e flexível podem permitir que os indivíduos abandonem seus antigos padrões de pensamento e criem estratégias cognitivas, emocionais e comportamentais novas e eficazes”, continuou ela. “É importante ressaltar que nossos dados sugerem que esses efeitos duram mais que a fase aguda e persistem com o tempo, potencialmente abrindo uma ‘janela de oportunidades’ em que intervenções terapêuticas podem se mostrar mais eficazes.”

Fonte:Futurism
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.