Galáxia NGC1052-DF2 capturada pelo Telescópio Espacial Hubble. (Créditos da imagem: NASA/ESA/P. van Dokkum).

Vinte e sete por cento de nosso Universo é composto por matéria escura. Desde sua descoberta, acreditávamos que ela era parte essencial em todas as galáxias. Nossos modelos de formação de galáxias envolvem a matéria escura. Entretanto, uma nova descoberta nos mostrou que não é tão simples.

À grosso modo, a matéria escura se juntaria e então, a matéria bariônica (a matéria comum, feita de átomos) passaria a ser gravitacionalmente atraída. Após muita matéria atraída e estrelas formadas, aí está uma nova galáxia. Simples assim, correto? A galáxia NGC1052-DF2, ou apenas DF2 nos mostrou que isso não ocorre em todos os casos.

Com essa ideia, astrônomos fizeram suas previsões da quantia de matéria escura presente. A surpresa foi que a galáxia DF2 possui apenas 1/400 do valor que esperavam, isto é, o valor previsto dividido por 400. A descoberta foi descrita em um artigo na revista Nature.

“Nós pensávamos que todas as galáxias eram feitas de estrelas, gás e matéria escura misturadas, mas com matéria escura sempre dominando”, disse Roberto Abraham, astrônomo na Universidade de Toronto e coautor do artigo que descreve a descoberta. “Agora parece que pelo menos algumas galáxias existem com muitas estrelas e gases e quase nenhuma matéria escura. É muito bizarro”.

Outra coisa incomum foi detectada na galáxia. É uma galáxia ultra-difusa. Apesar de ter aproximadamente o mesmo tamanho da nossa galáxia, a DF2 possui apenas 1/200 do número de estrelas da Via Láctea.

Publicidade

A descoberta foi feita com o equipamento Dragonfly Telescope Array, ideal para a observação de objetos pouco brilhantes. Esse telescópio utiliza a combinação de 48 lentes.

“Atualmente estamos realizando uma pesquisa para encontrar mais objetos como o DF2”, disse Roberto Abraham. “Dragonfly é bom em encontrar esses tipos de objetos. Talvez estejamos vendo apenas a ponta do iceberg.”

Referência:

  1. Universidade de Toronto. “How Do You Make A Galaxy Without Dark Matter?”. Acesso em: 29 mar. 2018.
Compartilhe:
Mais um insignificante humano habitando um pálido ponto azul no vasto oceano cósmico circundante. Com minha ilusória auto-importância, característica humana, pretendo seguir carreira no jornalismo científico. Apaixonado pela ciência desde criança, sou uma das poucas pessoas que como diz Carl Sagan, “passam pelo sistema com sua admiração e entusiasmo intactos”. Atualmente faço o ensino médio em uma ETEC e escrevo para o Ciencianautas.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.