(Créditos da imagem: Etienne Boulanger via Unsplash/Victor Tangermann).

Você não precisa de um computador para criar inteligência artificial. Na verdade, você nem precisa de eletricidade.

Em uma pesquisa extraordinária, cientistas da Universidade de Wisconsin-Madison descobriram uma maneira de criar um vidro artificialmente inteligente capaz de reconhecer imagens sem a necessidade de sensores, circuitos ou até mesmo de uma fonte de energia.

“Estamos sempre pensando em como forneceremos visão para as máquinas no futuro”, disse o pesquisador Zongfu Yu em um comunicado à imprensa. “Isso [a descoberta] muda quase tudo sobre como projetamos a visão das máquinas.”

Publicidade

Em um estudo publicado na revista Photonics Research, os pesquisadores descrevem como eles criaram uma folha de vidro “inteligente” que pode identificar dígitos manuscritos.

Publicidade

Para realizar a façanha, eles começaram colocando diferentes tamanhos e formas de bolhas de ar em pontos específicos e estratégicos dentro do vidro. Em seguida, eles adicionaram pedaços de materiais de absorção de luz, incluindo o grafeno.

Quando a equipe anotou um número, a luz refletida no dígito entrou em um lado do vidro. As bolhas e impurezas dispersaram as ondas de luz de maneiras diferentes, dependendo do número, até que [as ondas de luz] atingissem um dos 10 pontos designados — cada um correspondendo a um dígito diferente — no lado oposto do vidro.

O vidro é capaz de informar ao pesquisador quantos números ele “observou” — na velocidade da luz e sem a necessidade de qualquer fonte de energia ou de computação tradicional.

“Estamos acostumados com a computação, mas isso [a façanha feita por eles] ampliou a nossa visão”, disse Yu. “Ensinar as máquinas a ‘observar’ corretamente será a chave para alcançarmos os objetivos de inteligência artificial.” [Futurism].

Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.