Incêndio no estado do Pará em setembro deste ano. (Créditos da imagem: Nelson Almeida/AFP/Getty Images).

O presidente Jair Bolsonaro acusou sem evidências o ator e ambientalista Leonardo DiCaprio de bancar a incineração deliberada da floresta amazônica.

“Agora, o Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é?”, questionou Bolsonaro. “Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia”, acrescentou.

A acusação espúria — o presidente não ofereceu provas — ocorreu 24 horas depois de Bolsonaro ter feito uma reivindicação igualmente sem fundamento em uma transmissão ao vivo no Facebook.

“Leonardo DiCaprio, caramba, você está colaborando com a queima da Amazônia”, declarou Bolsonaro, acusando o ator de fazer parte de uma “campanha internacional contra o Brasil”.

As alegações infundadas de Bolsonaro estão relacionadas à controversa prisão na terça-feira de quatro bombeiros voluntários acusados ​​pela polícia civil — também aparentemente sem provas — de atear fogo na floresta para aumentar os esforços de angariação de fundos para uma ONG internacional.

Os bombeiros foram libertados na quinta-feira (28), em meio a uma indignação pública generalizada pelo tratamento e perguntas sobre a investigação policial.

Na quinta-feira, o filho político de Bolsonaro, Eduardo, alegou no Twitter que DiCaprio havia doado US$300 mil para “a ONG que incendiou a Amazônia” e acusou o grupo de conservação WWF de pagar à ONG cerca de US$13 mil por fotografias da floresta em chamas.

O WWF Brasil rejeitou essas alegações. “O WWF Brasil rejeita os ataques a seus parceiros e as mentiras que envolvem seu nome, incluindo uma série de ataques de mídia social baseados em mentiras, como a compra de fotografias vinculadas a uma doação do ator Leonardo DiCaprio”, afirmou a ONG em um comunicado.

Em agosto — quando grandes incêndios varreram a região amazônica, provocando uma crise internacional — DiCaprio prometeu US$5 milhões para ajudar a proteger as florestas tropicais do Brasil.

Bolsonaro, que assumiu o cargo em janeiro, expressou animosidade em relação a ativistas ambientais, ONGs e líderes estrangeiros que se manifestaram em defesa da Amazônia e criticaram sua posição em relação ao meio ambiente.

“Esse negócio covarde de ONGs internacionais como WWF e tantas outras da Inglaterra enfiando o nariz no Brasil vai acabar! Essa bobagem para aqui”, disse Bolsonaro ao The Guardian durante uma visita à região em 2018.

O ataque de Bolsonaro ao ator de Hollywood provocou raiva entre políticos e ativistas da oposição. “Quanto desespero. O omisso e incompetente presidente, responsável pelo desmonte ambiental sem precedentes no país, culpa até DiCaprio, mas não responsabiliza sua gestão que é incapaz de dar um passo sem destruir algo”, disse Randolfe Rodrigues, senador do Amapá.

Um brasileiro criou uma página em um website para atribuir a culpa pelos vários males do país a um elenco de estrelas de Hollywood. Nele, Tom Hanks foi responsabilizado pelos altos impostos do Brasil, Penélope Cruz pelo desemprego, Daniel Radcliffe pela impunidade, Johnny Depp pelo desmatamento e Kate Winslet pela crise da educação.

Harrison Ford se viu responsável pela burocracia kafkiana do Brasil, enquanto a dívida do governo era culpa de Adam Sandler. [The Guardian].