Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente a visão.

Continua após a publicidade

Esse implante é denominado de KPro e tem a vantagem de integrar-se diretamente na parede ocular, sem a necessidade de doador de tecido humano. O paciente conseguiu reconhecer familiares e ler um texto no dia posterior à operação.

Sobre a córnea sintética

Esta córnea artificial é única e a empresa CorNeat enfatiza que os materiais biomiméticos usados para sua fabricação estimulam a proliferação celular. Logo, integra-se perfeitamente aos tecidos humanos.

Mapa mundial mostrando a oferta e demanda de transplantes de córnea para 148 países.
Mapa mundial mostrando a oferta e demanda de transplantes de córnea para 148 países.
P. Gain et al/JAMA Ophthalmol

O primeiro paciente a se beneficiar da córnea foi operado em 3 de janeiro no Rabin Medical Center pelo professor Irit Bahar, chefe do departamento de oftalmologia. Este já havia se submetido a quatro transplantes de córnea humana tentando recuperar a visão, mas todos não tiveram sucesso.

Continua após a publicidade

A córnea sintética KPro foi projetada para substituir córneas distorcidas ou turvas. Segundo seus projetistas, não dependem do tecido de um possível doador e sua implantação é muito menos complexa do que o transplante de córnea humana.

O planejamento é que quase vinte pacientes sejam submetidos a este implante. Essa é uma alternativa essencial para a doação de córnea, conforme destaca o inventor do implante e cofundador da CorNeat Vision, Dr. Gilad Litvin. Ou seja, a córnea artificial pode melhorar a vida de milhões de pessoas em todo o mundo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 36 milhões de pessoas são afetadas pela cegueira e 2 milhões de novos casos são relatados a cada ano. A causa da maioria dos pacientes são cataratas não operadas, seguidos de outras causas comuns de perda de visão como erros de refração não corrigidos e glaucoma.

Continua após a publicidade
Publicado originalmente por SoCientíficaLeia o original aqui.