(Créditos da imagem: Bicho D'água).

As florestas da América do Sul abrigam algumas das biodiversidades mais ricas do planeta, no entanto, não costumam ser associadas às baleias.

A carcaça de uma baleia-jubarte de 8 metros de comprimento foi descoberta na sexta-feira passada nas florestas de mangue do norte do Brasil, de acordo com uma publicação do grupo Bicho D’água.

A baleia encalhada, que acredita-se ter apenas um ano de idade, foi encontrada a 15 metros da praia fluvial da ilha de Marajó, a maior ilha do mundo produzida por sedimentos depositados em um rio. É provável que a baleia-jubarte tenha chegado na foz do rio Amazonas e tenha sido despejada na terra quando as marés recuaram.

Publicidade

No fim de semana, um grupo de cientistas se dirigiu à área na esperança de identificar a causa da morte, informou o site de notícias O Tempo. Eles coletaram amostras da carcaça para obter mais informações sobre a estranha ocorrência.

Visualizar esta foto no Instagram.

A baleia jubarte encalhada em Soure, ilha de Marajó, era um filhote de cerca de um ano de idade e 8 m de comprimento. A carcaça foi encontrada a mais ou menos 15 m da praia. Devido às macromarés, comuns na Costa Norte do Brasil, é totalmente compreensível que uma carcaça vá parar dentro do manguezal. Não é um animal adulto, nem tão grande como parece nas imagens. #bichodagua #biodiversidade #amazonia #icmbio #resexsoure #biodiversidade #biodiversity #ong #amazonia #amazonforest #amazonriver #humpback #humpbackwhale #baleiajubarte #preserveanatureza #bichodagua #icmbio #semmasoure #activism #ativismo #planeteatrh #planetaterra #savethewhales #salveasbaleias #rainforests #marinemammals #mamiferosaquaticos

Uma publicação compartilhada por Bicho D’água (@bicho_dagua) em

Publicidade

As baleias-jubarte são uma espécie de baleia que pode crescer até os 16 metros de comprimento. Embora o número da população pareça estar aumentando, a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais observa que esta espécie está ameaçada. Um grande fator nisso são suas populações distintas e fragmentadas. Alguns cientistas chegam a afirmar que as baleias-jubarte nos oceanos do Pacífico Norte, Atlântico Norte e Hemisfério Sul estão tão diferentes que deveriam ser reconhecidas como subespécies separadas.

Fonte:IFLScience
Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.