Na antiga Atenas, apenas as pessoas mais ricas pagavam impostos sobre a riqueza, e estavam felizes em fazê-lo. (Créditos da imagem: Twospoonfuls/Wikimedia Commons).

Na antiga Atenas, apenas as pessoas mais ricas pagavam impostos diretos, e estes foram para financiar as despesas nacionais mais importantes da cidade-estado — a marinha e as honras para os deuses. Embora hoje possa parecer surpreendente, a maioria desses principais contribuintes não só pagou feliz, mas se gabou de quanto eles pagaram.

De Thomas Martin para o The Conservation.

O dinheiro era tão importante para os antigos atenienses como é para a maioria das pessoas hoje, então o que explica essa reação entusiasmada a uma grande conta de impostos? A elite financeira ateniense sentiu-se assim porque eles ganharam uma vingança inestimável: o respeito público dos outros cidadãos de sua democracia.

A antiga Atenas era uma cidade completamente moderna em suas grandes necessidades de financiamento público. (Créditos da imagem: Leo von Klenze/Wikimedia Commons).

Necessidades modernas, finanças modernas

Atenas nos séculos V e IV a.C. tinha uma população de pessoas livres e escravizadas que ultrapassavam 300 mil indivíduos. A economia se concentrou principalmente no comércio internacional, e Atenas precisava gastar grandes somas de dinheiro para manter as coisas cantarolando — desde o apoio à defesa nacional até as inúmeras fontes públicas que constantemente derramavam água potável por toda a cidade.

Grande parte dessa renda veio de terras agrícolas de propriedade pública e minas de prata que foram alugadas para os maiores licitantes, mas Atenas também tributou importações e exportações e cobrou taxas de imigrantes e prostitutas, bem como multas impostas a perdedores em muitos casos judiciais. Em geral, não havia impostos diretos sobre renda ou riqueza.

À medida que Atenas se tornou uma potência internacional, desenvolveu uma grande e cara marinha de várias centenas de navios de guerra de madeira de última geração chamados trirremes — significando literalmente três remadores. Trirremes custaram enormes quantias de dinheiro para construir, equipar e tripulação, e as elites financeiras atenienses foram as que pagaram para que isso acontecesse.

Trirremes eram a tecnologia militar mais avançada e cara do antigo Mediterrâneo, e os ricos atenienses os financiavam do próprio bolso. (Créditos da imagem: Marsyas/Wikimedia Commons).

O 1% do topo dos proprietários do sexo masculino apoiou a salvação de Atenas — chamada de “soteria” — realizando um tipo especial de serviço público chamado “leitourgia”, ou liturgia. Eles serviram como um comandante trirreme, ou “trierarca”, que pessoalmente financiou os custos operacionais de um trirreme durante um ano inteiro e até mesmo liderou a tripulação em missões. Este serviço público não era barato. Para financiar sua liturgia como um tri-arca, um contribuinte rico gastou o que um trabalhador qualificado ganhava em 10 a 20 anos de pagamento fixo, mas em vez de se esquivar dessa responsabilidade, a maioria a abraçou.

LEIA TAMBÉM: Máquina de Antikythera: o computador da Grécia Antiga que previa o movimento dos astros

Dirigir navios de guerra não era a única responsabilidade que os ricos tinham à defesa nacional. Quando Atenas estava em guerra — que era na maior parte do tempo — os ricos tinham que pagar contribuições em dinheiro chamadas “eisphorai” para financiar a milícia cidadã. Essas contribuições foram baseadas no valor de sua propriedade, não em sua renda, o que as tornou, de certa forma, um imposto direto sobre a riqueza.

O Teatro de Dionísio em Atenas poderia abrigar milhares de espectadores para espetáculos subsidiados por liturgistas. (Créditos da imagem: dronepicr/Wikimedia Commons).

Para agradar os deuses

Para os antigos atenienses, o poder militar físico era apenas parte da equação. Eles também acreditavam que a salvação do Estado de ameaças externas dependia de uma fonte de defesa menos tangível, mas igualmente crucial e dispendia: o favor dos deuses.

Para manter esses poderosos, mas inconstantes protetores divinos ao seu lado, os atenienses construíram templos elaborados, realizaram grandes sacrifícios e organizaram festivais religiosos públicos. Esses espetáculos maciços apresentavam extravagâncias musicais e apresentações teatrais que contavam com a presença de dezenas de milhares de pessoas e eram extremamente caros de se lançar.

Assim como com trierremes, os atenienses mais ricos pagaram por esses festivais cumprindo liturgias do festival. Servir como líder de coro, por exemplo, significava pagar pelo treinamento, figurino e despesas de vida para grandes grupos de artistas por meses de cada vez.

Orgulho de estar pagando

Nos EUA hoje, estima-se que um em cada seis dólares de impostos não é pagoGrandes corporações e cidadãos ricos fazem tudo o que podem para minimizar suas contas fiscais. Os atenienses teriam ridicularizado tal comportamento.

Nenhuma elite financeira da antiga Atenas se orgulhava de fraudar o equivalente ateniense da Receita Federal. Exatamente o contrário era verdade: eles pagavam, e até se gabavam em público — sinceramente — que muitas vezes tinham pago mais do que o necessário quando serviam como um trierarch ou líder de coro.

LEIA TAMBÉM: Uma história do tempo através dos séculos Claro, nem todos os membros dos superricos de Atenas se comportaram como um campeão patriótico. Alguns fugitivos atenienses tentaram escapar de suas liturgias alegando que outras pessoas com mais propriedade deveriam arcar com o custo em vez de si mesmas, mas esta tentativa de sair do serviço público nunca se tornou a norma.

Então, qual foi o raciocínio por trás desse orgulho cívico e pagador de impostos? Os atenienses antigos não estavam apenas abrindo suas carteiras para promover o bem comum. Eles contavam com um alto retorno na estima pública dos investimentos em sua comunidade que seus impostos representavam.

Este capital social era tão valioso porque a cultura ateniense tinha o dever cívico em alta consideração. Se um ateniense rico acumulava sua riqueza, ele era ridicularizado e rotulado de “homem ganancioso” que “pega emprestado de convidados que ficam em sua casa” e “quando ele vende vinho para um amigo, ele vende água”.

Riqueza social, não riquezas monetárias

As recompensas sociais que os pagamentos de impostos ganharam aos ricos tinham vidas longas. Um liturgista que financiou o coro de um drama premiado poderia construir um monumento espetacular em um local visível no centro da cidade para anunciar sua excelência a todos os participantes para sempre.

O Monumento Coral de Lisicrates foi erguido em 335 a.C. pelos liturgistas Lisicrates depois que sua peça ganhou o primeiro prêmio, e ainda permanece até hoje. (Créditos da imagem: C messier/Wikimedia Commons).

Acima de tudo, os ricos atenienses pagaram seus impostos porque ansiavam pelo sucesso social que vinha de seus compatriotas identificando-os publicamente como cidadãos que são bons porque são úteis. Ganhar o título honroso de um cidadão útil pode soar domado hoje — não impulsionou a campanha presidencial de Pete Buttigieg, embora ele descreva seu papel político como “tentando me tornar útil” — mas em uma carta a uma congregação hebraica em Rhode Island escrita em 1790, George Washington proclamou que ser “útil” era uma parte inestimável do plano divino para os Estados Unidos.

Assim, também, os atenienses infundiram essa designação com imenso poder. Ser um contribuinte rico que era bom e útil para seus concidadãos contava ainda mais do que dinheiro no banco. E este inestimável serviço público lucrou todos os atenienses mantendo sua democracia viva século após século.

Este texto foi originalmente publicado por The Conservation. Leia o original aqui.