Ada Lovelace. (Créditos da imagem: Reprodução).

E se eu te contar que a primeira programadora da história surgiu antes mesmo do primeiro computador existir? A fama de seu pai, Lord Byron – sim, aquele famoso poeta que todos vemos na escola, em literatura -, não ofuscou ela, no entanto, que alcançou seu próprio brilho, e Ada Lovelace é hoje conhecida por muito mais do que simplesmente ser filha de um grande poeta.

13 de outubro de 2020 foi o dia de Lovelace. A celebração internacional contempla, então, mulheres em ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Nascida em 10 de dezembro de 1815, Lovelace era brilhante, e foi uma importante matemática. Influenciada por sua mãe, Annabella Milbanke, aprendeu matemática e lógica desde muito jovem – e você deve saber que isso era considerado algo masculino e, então, era bastante raro que uma mulher fosse incentivada. Portanto, desde cedo Ada fascinou-se por máquinas.

LEIA TAMBÉM: GPT-3: a inteligência artificial que aprendeu a programar

Mesmo que fosse um tanto deviante, por um lado Ada seguiu a vida de uma mulher da época. Aos 19 anos casou-se com William King, que mais tarde ganharia o título de Conde. Mas isso não impediu sua carreira. Fascinada por máquinas, isso não impediu que Ada seguisse sua carreira. Um ano antes do casamento, em 1933, Ada conheceu o inventor e engenheiro mecânico Charles Babbage e, trabalhando juntos, tornaram-se bons amigos.

Prevendo o futuro

Babbage, também bastante sonhador, sonhava em criar o que chamava de ‘Analytical Engine’ (ou ‘Máquina Analítica’, no português). Ele nunca construiu a máquina, mas tratava-se, essencialmente, de um computador.

A Máquina Analítica de Babbage, construída mais tarde. (Créditos da imagem: Bruno Barral / Wikimedia Commons).

É aí, então, que entra Lovelace. Fascinada pela ideia, pensou no funcionamento da máquina. Em 1843 ela publicou, em uma revista científica inglesa. Ela criou notas onde explica uma forma de instruções para a máquina. Isto é, esse é o primeiro código da história. Entre uma das principais contribuições, ela insere os laços de repetição – essenciais para a maior parte dos códigos. Um laço de repetição faz com que uma instrução funcione em loop até que algum parâmetro seja verdade.

LEIA TAMBÉM: Inteligência artificial encontra 50 novos exoplanetas “perdidos” em dados da NASA

O artigo, disponível neste link, é uma tradução para inglês de uma descrição sobre a Máquina de Babbage feita por um autor italiano. Ao final do texto, há sua sessão de notas. No entanto, não tratam-se de simples notas. Essas notas possuem o triplo do tamanho do próprio artigo.

Notas G. (Créditos da imagem: Magdalen College Libraries and Archives, Daubeny 90.A.11).

Impressionando a todos

Além disso, o próprio Alan Turing se influenciou pelo trabalho de Ada. Turing é considerado o pai da computação moderna, exercendo importante função na automatização da descriptografia de mensagens Alemãs interceptadas pelos aliados durante a Segunda Guerra Mundial e no desenvolvimento, portanto, da computação nos pós guerra.

Babbage chamava Ada de feiticeira dos números. Em uma carta, ele escreveu certa vez que ela “lançou seu feitiço mágico sobre a mais abstrata das Ciências e o agarrou com uma força que poucos intelectos masculinos (pelo menos em nosso país) poderiam ter exercido acima dele”, conforme o New York Times.

Ada Lovelace morreu jovem – com apenas 36 anos de idade, em 27 de novembro de 1852, por causa de um câncer no útero.

Com informações de BBC e The New York Times.