A primeira imagem de Marte feita com dados de uma sonda, pintada à mão. (Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech).

Esta imagem que você está vendo foi a primeira “foto” de Marte feita por uma sonda in loco, ou seja, próximo ao planeta. Publicada em 1965, ela foi feita com dados coletados pela sonda Mariner 4. O planejamento não era realizar uma pintura à mão, mas devemos lembrar que na década de 1960 os Estados Unidos e a União Soviética ainda estavam descobrindo como explorar o espaço. 

A ideia da missão Mariner, era realizar o lançamento de um total de dez sondas: quatro para Marte, quatro para Vênus e duas para Mercúrio. Entretanto, seis Mariners acabaram sendo lançadas para Marte, e apenas uma chegou a Mercúrio, entre os anos 1960 e 1970.

As duas primeiras Mariners, sondas da NASA lançadas na década de 1960, tinham como objetivo Vênus. A Mariner 1, lançada em julho de 1962, acabou apresentando um erro e precisou, por segurança, se autodestruir. Felizmente, naquela época era comum que fossem lançadas missões gêmeas, por questão de backup, e Mariner 2, lançada um mês depois, conseguiu chegar a Vênus, tornando-se a primeira sonda a chegar em outro planeta.

Em 1964 chega a vez das Mariners 3 e 4. Ambas foram lançadas em novembro daquele ano, com um intervalo de algumas semanas. No quatro anos anteriores, os russos lançaram cinco missões para Marte, e nenhuma obteve sucesso – pois é, Marte nunca gostou dos russos. Mais tarde eles conseguiram alguns “meio-sucessos”, mas nunca foram muito bem. Eles se saíam à frente dos americanos em Vênus mesmo.

A Mariner 3 falhou, e apenas a Mariner 4 conseguiu chegar em Marte, com uma câmera de TV, e ela possibilitaria que imagens de fato fossem capturadas e enviadas para  a Terra e um outro sistema de captura de imagens bem menos rebuscado. Ela captava as cores e as enviava na forma de códigos, que podiam ser processados, mas não apresentavam tão bons resultados quando uma foto, e os computadores da época não eram muito bons, então era mais rápido fazer esse trabalho de forma manual. Foram essas as primeiras imagens feitas pela sonda, ao invés das fotografias.

“A primeira imagem de TV de Marte, colorida à mão, tira por tira, da Mariner 4 em 1965. A imagem completa foi enquadrada e apresentada ao diretor do JPL [Jet Propulsion Laboratory], William H. Pickering. Um verdadeiro trabalho de amor pela ciência”

— Kristen Erickson, Diretora de  Engajamento Científico e Parcerias da NASA.

Havia também um imagem em preto e branco feita pela nave, embora não com uma boa qualidade, um pouco mais tarde da imagem pintada:

Um imagem em preto e branco feita pela Mariner 4 em 1965. (Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech).

A imagem abaixo contém um papel com os números que representam cada cor, utilizado pelos cientistas para colorir as tiras. Eles recebiam tiras bastante finas com números, e bastava substituir os locais onde estavam os números pelas cores e depois juntar essas tiras em um quadro, obtendo assim, a imagem colorida. Eles fizeram isso utilizando giz pastel.

O papel com as cores que eram representadas pelos números, para servir de base para que os cientistas pintassem as tiras. (Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech).
Um dos pesquisadores pintando as tiras numeradas, na época. (Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech).

Essas primeiras imagens foram bastante decepcionante para muitos sonhadores, não só para os cientistas, mas para a sociedade em geral. Esperava-se que Marte fosse um planeta mais vivo, abrigando até mesmo uma civilização. Esse mito de uma civilização inteligente em Marte veio no final do século XIX por um grande mal entendido, causado por um erro de tradução das observações de Giovanni Schiaparelli por Percival Lowell.

Schiaparelli havia observado canais, que ele chamou de canalis, que em italiano, sua língua, significa canais de origem geológica, como leitos de rios. Entretanto, Lowell pensou que ele dizia que eram canais fabricados por seres inteligentes, formando a mente de muitas outras pessoas, e criando um grande sonho de que um dia encontraríamos vida inteligente em Marte. Grande foi a decepção ao descobrir que marte era mais parecido com a Lua do que com a Terra. Hoje, sabemos que um dia, há muito tempo, ele pode ter sido como a Terra, e buscamos lá por vida microbiana.

Referências:

  1. MILNER, Richard. “Tracing the Canals of Mars: An Astronomer’s Obsession”; Space.com. Acesso em: 30 jul. 2020.
  2. NASA. “First TV Image of Mars (Hand Colored)”. Acesso em: 30 jul. 2020.
  3. The Telegraph. “The red planet: 50 years of photos”. Acesso em: 30 jul. 2020.