(Créditos da imagem: Shutterstock).

A primeira grande chuva de meteoros deste ano está chegando. A chuva de meteoros Quadrantídeos deve atingir o pico nas primeiras horas da sexta-feira, 3 de janeiro, até o amanhecer do sábado, 4 de janeiro, de acordo com a Organização Internacional de Meteoros (IMO, na sigla em inglês).

O fenômeno é curto, mas incrível. No auge, entre 60 e 200 meteoros podem ser vistos a cada hora, se as condições climáticas estiverem a seu favor. Os Quadrantídeos têm o potencial de ser a chuva de meteoros mais intensa do ano, famosa por suas faixas especialmente longas e brilhantes. Apesar disso, visualizá-los pode ser um pouco complicado. Eles costumam ter uma pequena explosão de atividade, com cerca de 6 horas ou mais.

Os Quadrantídeos são melhor visualizados no hemisfério norte, embora o evento também possa ser visto em alguns locais no hemisfério sul (incluindo o Brasil). Os meteoros irradiarão na direção leste próximo ao amanhecer, mas não se preocupe muito com isso, pois são visíveis em todas as partes do céu.

Publicidade

A fonte dos meteoros é um asteroide ou um possível “cometa rochoso” chamado 2003 EH1, que atravessa nosso Sistema Solar a 41 quilômetros por segundo. Os meteoros são pedaços de detritos que se desprendem de cometas ou asteroides. Quando atingem a atmosfera superior da Terra em alta velocidade, queimam e liberam uma faixa brilhante que aparece no céu.

O nome da chuva de meteoros vem de Quadrans Muralis, uma antiga constelação criada em 1795 pelo astrônomo francês Jérôme Lalande. Infelizmente, agora é considerada uma constelação obsoleta, pois não foi incluída na lista da União Astronômica Internacional das 88 constelações modernas.

Não é necessário o uso de equipamentos astronômicos para observar uma chuva de meteoros, mas é importante um céu noturno escuro. Assim, para observar o espetáculo de uma chuva de meteoros, desloque-se para uma zona com pouca poluição luminosa. Se não for possível, um truque é ficar atrás de alguma grande construção capaz de bloquear maior parte do brilho da Lua. [IFLS].

Publicidade