(Créditos da imagem: CMU University).

O Instrumento Espectroscópico de Energia Escura (DESI, na sigla em inglês), um equipamento composto por 5 mil mini-telescópios, foi instalado no telescópio Mayall no Observatório Nacional Kitt Peak, no Arizona. Os astrônomos concluíram testes essenciais e a partir de 2020 o DESI examinará o Universo em busca de energia escura.

“Com o DESI, estamos combinando um instrumento moderno com um venerável telescópio antigo para criar uma máquina de pesquisa de última geração”, disse Lori Allen, diretora do Observatório Nacional Kitt Peak no Laboratório Nacional de Pesquisa em Astronomia Infravermelha Ótica da National Science Foundation.

A energia escura é uma força invisível que, teoricamente, está acelerando a expansão do Universo e é responsável por 68% da composição do Cosmos.

O DESI foi projetado para fornecer medições precisas da taxa de expansão do Universo. Para descobrir quanto do Universo se expandiu à medida que a luz de galáxias diferentes chegam na Terra, o instrumento detectará luz de um conjunto específico de galáxias, dividirá essa luz em faixas estreitas de cor e usará cada uma dessas bandas para medir as distâncias entre as galáxias e o planeta Terra.

O instrumento é equipado com espectrógrafos, que dividem a luz e também medem o desvio para o vermelho, ou a mudança na cor para comprimentos de onda mais longos e mais vermelhos da luz dos objetos que se afastam de nós. Em cinco anos, de acordo com os pesquisadores, o DESI digitalizará 35 milhões de galáxias e 2,4 milhões de quasares, os objetos mais brilhantes do Universo.

Segundos os pesquisadores, nas melhores condições, o DESI pode analisar 5 mil galáxias a cada 20 minutos. Os 5 mil mini-telescópios também podem mudar seu olhar rapidamente. Demora cerca de 10 segundos para que os telescópios se reorientem de um conjunto de galáxias para outro.

Além do mais, o DESI será capaz de estudar o Universo distante e primitivo, remontando há 11 bilhões de anos. Naquela época, acredita-se que a gravidade diminuiu a expansão do Universo, enquanto agora a energia escura está acelerando a expansão. [LiveScience].