Concepção artística de uma Vênus terraformada, mostrando uma superfície amplamente coberta de oceanos. (Créditos da imagem: Wikipedia Commons/Ittiz).

Em 1978, a missão Pioneer Venus da NASA (também conhecida como Pioneer 12) chegou à Vênus (a “Irmã da Terra”) e encontrou indicações de que Vênus pode ter tido oceanos em sua superfície. Desde então, várias missões foram enviadas à Vênus e reuniram dados sobre sua superfície e atmosfera. A partir disso, surgiu uma imagem de como Vênus fez a transição de um planeta “parecido com a Terra” para o lugar quente e infernal que é hoje.

Tudo começou há cerca de 700 milhões de anos, quando um enorme evento de recapeamento provocou um efeito estufa descontrolado que fez com que a atmosfera de Vênus se tornasse incrivelmente densa e quente. Isso significa que, durante 2 a 3 bilhões de anos após a formação de Vênus, o planeta poderia ter mantido um ambiente habitável. De acordo com um estudo recente, isso teria sido suficiente para que a vida surgisse na “Irmã da Terra”.

O estudo foi apresentado em 20 de setembro deste ano na Reunião Conjunta de 2019 do Congresso Europeu de Ciência Planetária (EPSC-DPS), que ocorreu de 15 a 20 de setembro em Genebra, na Suíça. Durante a reunião, Michael Way e Anthony Del Genio, do Instituto Goddard de Ciências Espaciais da NASA (GISS, na sigla em inglês), compartilharam uma nova visão da história climática de Vênus, o que pode ter implicações na busca por exoplanetas habitáveis.

Publicidade
Impressão artística da superfície de Vênus como é hoje, mostrando suas tempestades com raios e um vulcão ao longe. (Créditos da imagem: ESA/J. Whatmore).

Para o estudo, o Dr. Way e o Dr. Del Genio criaram uma série de cinco simulações que consideravam como seria o ambiente de Vênus com base em diferentes níveis de cobertura da água. Isso consistiu na adaptação de um modelo de circulação geral 3D que levava em conta as mudanças nas composições atmosféricas e o aumento gradual da radiação solar à medida que o Sol se tornava mais quente ao longo de sua vida útil.

Em três dos cinco cenários, Way e Del Genio assumiram que a topografia de Vênus era quase a mesma de hoje, o oceano variou de uma profundidade mínima de 10 metros a um máximo de cerca de 310 metros e uma pequena quantidade de água foi confinada no solo. Eles também consideraram um cenário com a topografia da Terra e um oceano de 310 metros, e outro em que Vênus estava totalmente coberto por um oceano de 158 m.

Publicidade

No final, todas as cinco simulações indicaram a mesma coisa: Vênus teria sido capaz de manter temperaturas estáveis ​​— de 20 °C a 50 °C — por cerca de três bilhões de anos. Não fosse por uma série de eventos que causaram ressurgimento de 80% da superfície do planeta (o que levou à emissão de gás carbônico contido na crosta), podia ser habitável até hoje.

“A nossa hipótese é que Vênus pode ter um clima estável por bilhões de anos. É possível que o evento de recapeamento quase global seja responsável por sua transformação de um clima parecido com a Terra para uma casa infernal infernal que vemos hoje”, disse Way.

Um padrão terra-oceano como o descrito acima foi usado em um modelo climático para mostrar como as nuvens de tempestade poderiam proteger a antiga Vênus da forte luz solar e tornar o planeta habitável. (Créditos da imagem: NASA).

Tudo começou cerca de 4,2 bilhões de anos atrás, algumas centenas de milhões de anos depois que Vênus se formou e havia acabado de terminar um período de resfriamento rápido. Neste ponto, assumindo que Vênus passou por um processo semelhante ao da Terra, sua atmosfera teria sido dominada pelo dióxido de carbono. Isso teria sido absorvido lentamente por rochas siliciosas para formar carbonatos que foram presos na crosta do planeta.

Há cerca de 715 milhões de anos atrás, segundo o estudo de Way e Del Genio, a atmosfera teria sido semelhante à atual da Terra — composta predominantemente por gás nitrogênio com vestígios de CO² e metano. Essas condições poderiam ter permanecido estáveis ​​até os dias atuais, se não fosse por um evento maciço de eliminação de gases.

A causa disso permanece um mistério; no entanto, os cientistas acreditam que foi devido a um evento geológico que fez com que 80% do planeta ressurgisse. Isso pode envolver grandes quantidades de magma borbulhando e liberando grandes quantidades de CO² na atmosfera. O magma teria então se solidificado antes de atingir a superfície, criando assim uma barreira que impedia a reabsorção do CO².

Publicidade

“Algo aconteceu em Vênus, onde uma enorme quantidade de gás foi liberada na atmosfera e não pôde ser reabsorvida pelas rochas. Na Terra, temos alguns exemplos de descargas em larga escala, por exemplo, a criação das armadilhas da Sibéria há 500 milhões de anos, as quais estão ligadas a uma extinção em massa, mas nada nessa escala. Isso transformou completamente Vênus”, contou Way.

Isso explicaria como a atmosfera de Vênus era espessa até o ponto em que era 90 vezes mais densa que a da Terra. Combinado com as altas concentrações de CO², isso levaria a um efeito estufa descontrolado que explica como o planeta se tornou o lugar infernal que conhecemos hoje, onde as temperaturas da superfície são em média 462 °C.

Isso ocorre diante das noções convencionais de habitabilidade, que afirmam que a órbita de Vênus a coloca além da borda interna da zona habitável de nosso Sol. Dentro dessa “zona de Vênus”, de acordo com a sabedoria convencional, um planeta absorve muita radiação solar para poder manter água líquida em sua superfície. Mas, como Way indicou, todas as suas simulações indicaram o contrário:

“Vênus atualmente tem quase o dobro da radiação solar que temos na Terra. No entanto, em todos os cenários que modelamos, descobrimos que Vênus ainda poderia suportar temperaturas de superfície favoráveis ​​à água líquida.”

Essas descobertas estão alinhadas com um estudo semelhante que Way e Del Genio realizaram em 2016 com colegas do Centro de Vôo Espacial Goddard da NASA, do Instituto de Ciência Planetária (PSI, na sigla em inglês), da Universidade de Uppsala e da Universidade de Columbia. Para este estudo, sua equipe criou um conjunto de simulações de clima 3D usando dados da missão Magellan que examinavam como a presença de um oceano na antiga Vênus afetaria sua habitabilidade.

Publicidade

A partir disso, eles determinaram que, se Vênus tivesse um período de rotação mais lento do que cerca de 16 dias terrestres, seu clima permaneceria habitável até 715 milhões de anos atrás. No entanto, ainda existem duas grandes incógnitas que precisam ser abordadas antes que os cientistas possam dizer com confiança que Vênus era habitável até muito recentemente.

O planeta Vênus, como visto pela missão Magellan 10. (Créditos da imagem: NASA/JPL).

Primeiro, os cientistas precisarão determinar a rapidez com que Vênus resfriou e se foi capaz de condensar água líquida em sua superfície. Segundo, ainda não se sabe se o evento de recapeamento global que levou à transição de Vênus foi um evento único ou apenas parte de uma série que vinha ocorrendo há bilhões de anos.

“Precisamos de mais missões para estudar Vênus e obter uma compreensão mais detalhada de sua história e evolução”, disse Way. “No entanto, nossos modelos mostram que existe uma possibilidade real de que Vênus possa ter sido habitável e radicalmente diferente da Vênus que vemos hoje. Isso abre todos os tipos de implicações para os exoplanetas encontrados na chamada ‘zona  de Vênus’, que pode de fato hospedar água líquida e climas temperados”.

Pense nisso… Se Vênus não tivesse passado por um evento maciço de ressurgimento (ou uma série deles), a humanidade só precisaria procurar no seu vizinho planetário uma prova de vida extraterrestre. Aliás, se Marte não tivesse perdido sua magnetosfera há 4,2 bilhões de anos, poderia ter produzido vida própria que ainda estaria presente hoje. O nosso único Sistema Solar poderia não ter um, mas três planetas que sustentam a vida (e perto)!

É provável que essas descobertas sejam encorajadoras para aqueles que acreditam que Vênus deve ser terraformada algum dia. Saber que o planeta já teve um clima estável e poderia mantê-lo, apesar de sua órbita, significa efetivamente que qualquer engenharia ecológica que fizermos lá permanecerá.

Publicidade

Isso significa que algum dia Vênus poderá ser transformado em um mundo agradável, coberto principalmente por oceanos, com poucos continentes grandes e arquipélagos extensos. Soa como algum lugar que você conhece?[Universe Today].

Compartilhe:
Giovane Almeida
Sou baiano, tenho 18 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e biologia.

Deixe seu comentário!

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui.